"É surreal." Maria Mendes, Camané e Mário Laginha nomeados para os Grammys Latinos

Maria Mendes está nomeada na categoria de melhor arranjo musical, com "Asas Fechadas", de Amália. A dupla masculina, é indicada com o álbum Aqui Está-se Sossegado para o prémio melhor álbum raízes de música portuguesa.

É "surreal." Maria Mendes reage à nomeação para os Grammys Latinos sem conseguir esconder o riso. "Asas Fechadas", de Amália Rodrigues, numa versão jazz, vale à cantora a indicação para melhor arranjo. Os prémios serão entregues na próxima madrugada, mas Maria Mendes não esconde a felicidade pela nomeação já conquistada.

"Primeiro vou abrir uma garrafa de champanhe, com ou sem prémio ganho, porque, na verdade, vou ser sincera: o estar nomeada é o prémio em si, porque é uma honra, quer dizer que foi uma canção selecionada, de várias centenas de todo o mundo, de artistas de qualidade fantástica", reconhece a artista. Maria Mendes diz sentir-se grata: "Darem-nos, a nós, este apreço é uma honra enorme."

O desafio de "pegar na tradição, respeitá-la, mas dar o elemento moderno" é realçado pela cantora, nestas declarações à TSF. "Pegar num tema como o Asas Fechadas e como o Barco Negro, por exemplo, Tudo Isto é Fado... Vários temas que eu gravei, vários fados conhecidos de toda a gente que eu gravei em CD, no Close To Me, este último disco que está nomeado... Foi um desafio."

A nomeação é o culminar desse desafio superado, constata. "Estar nomeada nesta categoria é muito interessante enquanto compositora, orquestradora e arranjadora, como eu sou."

Tal como Maria Mendes, também o fadista Camané e o pianista Mário Laginha estão nomeados para os prémios de música Grammy Latinos 2020, que decorrerão a 19 de novembro. A dupla masculina, Camané e Mário Laginha, é indicada com o álbum Aqui Está-se Sossegado, com um repertório de fados ao piano, um trabalho nomeado para o prémio melhor álbum raízes de música portuguesa.

"Não estava absolutamente nada à espera", garante Camané, ouvido pela TSF. "Eu fiquei muito contente, porque foi um disco feito de uma maneira muito... Sei lá, nós não pensámos logo no disco, pensámos fazer uns concertos juntos, e, de repente, percebemos que podíamos ir para estúdio."

O fadista garante que o processo foi muito natural. "Fizemos o disco numa descontração enorme, porque fomos para estúdio e já tínhamos feito para aí 15 concertos, portanto gravámos em takes, tudo muito naturalmente, estava tudo muito sintonizado... Foi fantástico, e fiquei muito contente, muito feliz com a nomeação!"

Depois de vencer dois prémios Play com o álbum, Camané diz não estar na expectativa de uma nova vitória, desta vez nos Grammys Latinos. "Nós não estamos à espera de ganhar, sinceramente, porque há muita coisa em jogo. Se ganharmos, ficamos muito contentes, claro, mas já ficámos muito contentes com a nomeação."

* e Catarina Maldonado Vasconcelos

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de