Entre cargos públicos e o imobiliário. Quem é o polémico novo diretor-geral do património?

Bernardo Alabaça, de 46 anos, já foi diretor-geral de Infraestruturas do Ministério da Defesa Nacional e subdiretor-geral do Tesouro e Finanças do Ministério das Finanças, mas no seu percurso tem também cargos dirigentes em empresas de imobiliário.

Está envolta em polémica a nomeação do novo diretor-geral do Património Cultural. O nome de Bernardo Alabaça está longe de reunir consenso e os dirigentes da Associação Portuguesa de Museologia (APOM) e do Conselho Internacional de Museus da Europa já consideraram que a sua indicação para o cargo é "insólita" e "um insulto".

Aos 46 anos, Bernardo Xavier Alabaça já tem um vasto currículo, com uma particularidade: intercala vários cargos públicos com cargos dirigentes em empresas privadas do ramo imobiliário.

Bernardo Alabaça é formado em Engenharia e Construção Industrial e o primeiro emprego que teve foi como técnico superior de construção. Seguiu-se a entrada na empresa pública Estradas de Portugal - EP e, de seguida, passa pela ANA - Aeroportos de Portugal

Entre os cargos públicos que ocupou estão posições de relevo na Parpública - a empresa que gere participações do Estado - e na TAP, mas foi também Diretor-Geral de Infraestruturas do Ministério da Defesa Nacional e Subdiretor-Geral do Tesouro e Finanças do Ministério das Finanças. Mais recentemente, foi contratado pela câmara de Lisboa como consultor.

A gestão de imobiliário é, no entanto, o ponto forte na carreira do engenheiro. Tem sido sócio, avaliador, assessor ou diretor em várias empresas do ramo imobiliário e está inscrito como avaliador de imóveis na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em 2013, defendeu uma tese de mestrado no ISCTE sobre a Gestão Pública do Imobiliário do Estado, onde propõe "a criação de um portal imobiliário que permitisse atuar como uma central de vendas do património público e também como uma central de compras para instalação de entidades públicas".

É ainda docente da Porto Business School, lecionando as disciplinas Asset Management, Learning Journey_FM2, e Métodos de Avaliação e Normas de Conduta RICS na Pós-Graduação em Gestão Imobiliária. Também desenvolve atividade docente no ISCTE , onde faz parte do corpo docente da Pós-Graduação em Investimentos Imobiliários.

Esta quinta-feira, dia em que foi anunciado como novo diretor-geral para o Património, o ministério da Cultura explicou que Bernardo Alabaça "apresenta um currículo com 20 anos de experiência de gestão, maioritariamente de património público".

A nova equipa diretiva da DGPC inicia funções no dia 24 de fevereiro. Além de Bernardo Alabaça, foram nomeados Fátima Marques Pereira e Rui Santos como subdiretores.

O arquiteto João Carlos Santos manter-se-á como subdiretor, assim como o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga, Joaquim Caetano, que é equiparado a subdiretor por inerência.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de