Inaugurar uma exposição sem sair do sofá

Mesmo com as atividades suspensas ou canceladas, a agenda cultural mostra sinais de vitalidade e imaginação. Há concertos que chegam via Instagram, o cinema é partilhado via "streaming", os museus fazem visitas virtuais e, na semana passada, o Museu Berardo experimentou algo inédito.

Assim que fechou as portas a 13 de março, a equipa do Museu Coleção Berardo começou de imediato a pensar como continuaria a trabalhar. Um dos projetos que poderia ficar em suspenso era a mostra "Julian Opie, Obras Inéditas" mas, e se em vez de uma inauguração convencional, o museu abrisse as portas de forma virtual?

Foi o que aconteceu. Na quarta-feira, pelas 19h00, o Museu Coleção Berardo, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, transmitiu no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube, a sua primeira inauguração online devido à Covid-19.

"Tivemos de nos adaptar a este período de contenção. O museu já se encontrava encerrado desde o dia 13 de março, estando a inauguração prevista para dia 18. Por isso, decidimos fazer uma inauguração ao vivo com uma conversa, que segue um formato diferente da inauguração habitual, entre a diretora artística Rita Lougares e o artista Julian Opie", conta o diretor do museu Pedro Bernardes.

No entanto, recorda, começaram a surgir imprevistos e a inauguração online, que devia acontecer em direto, teve de ser gravada.

"O Julian teve de voar para Inglaterra, para ficar junto da família, e não conseguimos fazer a inauguração na quarta-feira ao vivo, gravámos tudo na terça-feira. Foi uma experiência que resultou bem porque penso que as pessoas que assistiram tiveram uma visão diferente que normalmente não têm numa inauguração ao vivo, num museu."

Apesar da distância do ecrã, para Pedro Bernardes a inauguração online acabou por ser mais pessoal pois passamos a ter o artista "a explicar a cada um dos que assistiu, tivemos quase 9500 visualizações e estas 9500 pessoas tiveram quase uma conversa com o Julian enquanto percorriam a exposição".

Para o diretor do museu esta foi uma "experiência muito enriquecedora" e inédita. "Nós tentámos perceber se já algum museu tinha feito este tipo de eventos na Europa e não encontrámos nenhum que tivesse passado por esta experiência e tivemos mesmo de aprender."

Uma nova experiência que o museu quer repetir e que acredita ser replicável por outros museus e instituições para levar a cultura a todos os lugares, mesmo a casa.

Se uma inauguração online é algo inédito, visitas são mais comuns. Há mais de 500 museus em todo o mundo que dão a conhecer online as suas exposições.

Em Portugal, por exemplo, a Fundação Calouste Gulbenkian disponibilizou online uma visita a 360 graus à Coleção do Fundador, onde é possível conhecer objetos do Antigo Egito e do Oriente Islâmico, e obras de artistas como Rembrandt, Turner e Monet, e a Coleção Moderna, onde há quadros de artistas como Amadeo de Souza-Cardoso, Almada Negreiros e Paula Rego.

O Museu dos Coches , o Museu Nacional de História Natural e da Ciência e o Museu do Fado oferecem experiências semelhantes.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de