Letrux no Festival Músicas do Mundo. "As diferenças sempre me atraíram"
Festival Músicas do Mundo

Letrux no Festival Músicas do Mundo. "As diferenças sempre me atraíram"

Letícia Novaes é Letrux, cantora brasileira da música independente que chegou a Sines "Aos prantos", nome do álbum que teve de esperar pelo fim da pandemia para tocar ao mundo.

Em entrevista à TSF, a cantora fala do sonho de atuar no Festival Músicas do Mundo: "É uma loucura estar numa cidade pequena de Portugal que se transforma num caldeirão humano que muito me fascina."

Sobre as eleições no Brasil, a artista revelou que tem "muito no coração que o Lula vai ganhar, ele é um guerreiro que sabe tirar o país da fome. O outro nem digo o nome, é um inominável monstro que destruiu o Brasil."

Numa das últimas colunas assinadas por Letícia Novaes na revista Gama, a cantora e escritora escreve sobre o clima político no Brasil e descreve Jair Bolsonaro como um "cafona e hipócrita que comete genocídio com o povo brasileiro", um "inominável monstro", "que não tem respeito pelas pessoas da cultura", "que alimenta um bando de egoístas, sem qualquer noção do coletivo, sem estudo e sem estofo, com discurso raso."

Dizendo que também tem na família quem vote Bolsonaro, a artista refere que "toda a família tem a sua fruta podre". Letícia Novaes define o perfil do votante no atual presidente brasileiro como "pessoas que vão ter de nascer de novo", e acredita na mudança.

"O Lula é um guerreiro, e sabe tirar o país da fome", sublinhando, ainda assim, que talvez "tivesse sido bom aparecer uma figura nova da esquerda." Não sendo o caso, é Lula o homem certo para destronar Bolsonaro e a sua corte "de robots de fake news."

Letícia Novaes escreveu a crónica "porque se quer dedicar à escrita dum romance" e chegou a Portugal em julho para lançar o segundo livro de poemas "Tudo o que já nadei", e também para atuar no Festival Músicas do Mundo.

Não foi o concerto mais concorrido do festival, mas não foi por falta de empenho da cantora, que em palco vestiu a pele das causas que abraça, como o feminismo e o antirracismo, num alinhamento que juntou músicas do último álbum "Letrux aos prantos" e do anterior "Em Noite de Climão", vencedor do melhor disco de 2017 no Brasil.

No regresso ao Brasil, Letícia Novaes leva um caderninho com anotações da música do português de Portugal. "O jeito como os portugueses falam é música para os meus ouvidos, falam rapidinho, e eu amo."

Em entrevista à TSF, a cantora mostrou-se grata por ter finalmente conseguido atuar no castelo de Sines porque era "um sonho perseguido desde 2013, após umas férias em Porto Covo".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de