Livraria Lello vai expor ao público obras "valiosas, raras e antigas"

A exposição vai contar, por exemplo, com um "um incunábulo de 1478" e o espólio de icónicas livrarias que encerraram.

A Livraria Lello, no Porto, abre ao público, esta sexta-feira, um espaço dedicado a primeiras edições e livros raros. Neste espaço, os visitantes vão poder visitar exposições e conhecer o espólio daquela que é considerada uma das mais bonitas livrarias do mundo.

Esta manhã, na TSF, Andreia Ferreira, diretora da livraria, destacou algumas das obras que os visitantes poderão ver, mas que não estão à venda, como "um incunábulo de 1478", um dos "primeiros livros impressos". "É um livro muito antigo, mas que está muito bem conservado", garante.

Disponíveis aos olhos dos visitantes, vão estar também o espólio da Coimbra Editora, casa centenária que faliu e cujas obras a Lello não quis que se "fragmentassem" e parte do espólio da Brazenhead Books, icónica livraria de Manhattan, em Nova Iorque, "escondida" num pequeno apartamento, que encerrou há três anos, com a morte do dono. "Foi conhecido como o último pirata de Nova Iorque, o Michael [Seidenberg], ele faleceu em 2019. Tinha a sua livraria no seu próprio apartamento. Era uma coisa muito boémia, muito interessante. Depois de ele falecer, o espólio estava em risco de se perder e nós adquirimos parte", explica Aurora André Pinto.

"Há coisas muito interessantes para ver, muito valiosas, muito raras, muito antigas", reforça a responsável,.

A partir desta sexta-feira, o espaço já pode ser visitado. Para aceder a esta zona exclusiva, basta fazer a inscrição no site da Livraria Lello.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de