Marcelo vai acompanhar todos os esforços para que teatro regresse "melhor do que antes"

O Presidente da República refere que o teatro "é uma arte de presença e não vive sem a presença", lembrando o hiato provocado pela pandemia.

O Presidente da República recordou este domingo, por ocasião do Dia Mundial do Teatro, que o hiato provocado pela pandemia "trouxe prejuízos" e comprometeu-se a acompanhar todos os esforços para o regresso, "melhor do que antes, do teatro".

Numa nota divulgada na página oficial da Presidência da República na internet, Marcelo Rebelo de Sousa refere que o Dia Mundial do Teatro é assinalado num "contexto difícil, ainda não desprovido de razões de esperança".

O regresso às salas de espetáculo foi feito "em segurança", prosseguiu o chefe e Estado, recordando que o teatro "é uma arte de presença e não vive sem a presença".

No entanto, o hiato provocado pela pandemia "trouxe prejuízos de diversa natureza, artística e pessoal, que é urgente ultrapassar".

"Saudando todos os que fazem teatro, reafirmo a minha intenção de acompanhar as soluções legislativas, logísticas e sociais para o regresso, como antes e melhor do que antes, do teatro português", completou.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda a morte do encenador Jorge Silva Melo, um dos "mais destacados e mais inconformados", que morreu em 14 de março, e referiu a "incerteza quanto ao destino da companhia que fundou".

Jorge Silva Melo fundou a companhia de teatro Artistas Unidos, que poderá ter de abandonar o Teatro da Politécnica em fevereiro de 2023, depois de o reitor da Universidade de Lisboa ter comunicado que não pretende renovar o contrato.

Os Artistas Unidos estão neste espaço desde outubro de 2011.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de