Os cem anos de Maria Judite de Carvalho

Paisagens sem História II, é a segunda parte das leituras encenadas, para marcar o centenário do nascimento da escritora Maria Judite de Carvalho.

Faria agora cem anos, Maria Judite de Carvalho e a atriz Cristina Carvalhal, tem esta grata tarefa, de trazer ao palco, as palavras, as muitas palavras escritas, mas com potencialidades cénicas, como escreve no texto de apresentação destas três leituras encenadas. Escritora escondida, de extremo pudor, é o marido, Urbano Tavares Rodrigues que mais a expõe, mas Cristina Carvalhal mostra-a agora a despertar imagens para quem a ouve, para quem nunca gostou de se mostrar.

São três leituras encenadas para as palavras de Maria Judite de Carvalho, a primeira já aconteceu a semana passada, hoje é a segunda das leituras.

Há também uma instalação de Adriana Molder, que acompanha estas três leituras e também uma conversa com a neta Inês Fraga que estuda a obra da avó e que pode falar dela de todos os pontos de vista, a mulher por vezes triste que foi e a mulher que escrevia e desenhava e pintava, mas não queria falar disso.

DIREÇÃO Cristina Carvalhal LEITURAS POR Manuela Couto, Nuno Nunes, Sílvia Filipe e Madalena Palmeirim MÚSICA Madalena Palmeirim INSTALAÇÃO Adriana Molder PRODUÇÃO EXECUTIVA Sofia Bernardo COPRODUÇÃO Causas Comuns e SLTM /// A Causas Comuns é um estrutura financiada pela República Portuguesa - Cultura | DGARTES - Direção-Geral das Artes.

Leituras encenadas para recordar a obra de Maria Judite de Carvalho, no centenário do nascimento, no teatro S.Luiz, em Lisboa, hoje segunda sessão das três marcadas, depois das 19h00. Sábado, dia 30 de outubro, às 16h00, é a terceira e última leitura, de Paisagens sem História.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de