Sem Título, mas poderia ter um: solidão

Estreia esta noite, 25 de maio, no Teatro A comuna, em acolhimento, Sem Título, uma peça do argentino Ariel Farace, sobre o isolamento, até parece que foi escrito para a pandemia.

Foi escrito muito antes da pandemia, em 2004, em Buenos Aires, no entanto tudo faz sentido, quando Ariel Farace escreveu sobre o isolamento, a solidão, o consumo, o medo, o vazio. A encenadora deste espetáculo Patrícia Soso, acha que o futuro já se desenhava, a pandemia só acelerou o processo.

Três personagens, que podemos ser nós, que apenas têm nome, Ana, Ulisses e Laura mas não sabemos mais nada, são como nós.

A fragilidade de cada um, a solidão e todos enfrentam esse medo do vazio, das grandes cidades onde ao mesmo tempo também se procura o lugar, onde cada um pode ser o que quiser, dentro de si, do seu próprio mundo.

Alguma coisa vai ter de mudar na vida, talvez amanhã, se calhar está tudo bem assim, talvez, talvez mude amanhã.

Sem TÍ´itulo, estreia hoje, 25 de maio, na casa da Comuna, na Praça de Espanha, em Lisboa, e fica de quarta a sábado às 21h00, e no domingo, 29 de maio, último dia às 16h00.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de