"Sombra", filme sobre crianças desaparecidas: "Ouvir aquelas histórias mudou a minha vida"

Depois de Carga, filme sobre vítimas de tráfico de seres humanos, "Sombra" mergulha no drama das famílias de crianças desaparecidas. É a segunda longa-metragem de Bruno Gascon. Estreia quinta-feira.

"É uma história de amor força e coragem de uma mãe à procura do filho ao longo de 15 anos. Acima de tudo, é uma carta de amor para esse filho. O filme é duro mas a realidade é bem pior do que isso", diz o realizador, sentado no estúdio da TSF.

O filme teve estreia mundial no Festival de Cinema Barcelona - Saint Jordi, recebeu o prémio de melhor filme, já foi visto em Xangai, também em Nápoles. Agora chega às salas portuguesas.

"Sombra" tem tido uma excelente receção a nível internacional, tendo sido selecionado para um dos maiores festivais de cinema independente da atualidade no Reino Unido, o Raindance Film Festival. Bruno Gascon encontra-se entre os três nomeados ao Prémio de Melhor Realizador e a protagonista de "Sombra", a atriz Ana Moreira, está nomeada para o prémio de Melhor Performance, lado a lado, por exemplo, com outra das atrizes do filme "Sombra", Lúcia Moniz (pelo filme 'Listen').

Este é um filme para nos colocarmos na pele de quem não sabe há anos do filho ou da filha:

"Tentei criar esta história em que as pessoas conseguissem ter e colocar se nos pés daquela personagem, daquela família".

A protagonista, Isabel, num desempenho superlativo de Ana Moreira, é adaptada da vida de uma pessoa da vida real; no caso, Filomena Teixeira, mãe de Rui Pedro, que está desaparecida desde março de 1998: "sim, o filme é adaptado de várias histórias de várias famílias a que tive acesso, sendo que a inspiração maior foi em Filomena Teixeira". Uma mãe em luta desesperada contra a inépcia das instituições; no caso, a forma como a investigação policial foi inicialmente conduzida: "lembro-me que Filomena ainda há pouco tempo deu uma entrevista em que dizia que 48 horas é muito tempo e a verdade é que naquela altura, por exemplo, não verificaram todas as hipóteses possíveis. Estamos a falar de uma criança e eu acho que é importante acionar todos os meios possíveis para que estes casos não aconteçam".

Um filme capaz de não deixar ninguém em sossego. Menos ainda quem tenha filhos ou netos com o nome Pedro. O realizador não tem dúvidas sobre o que lhe foi mais difícil: "As histórias dessas pessoas; acima de tudo, mudei enquanto pessoa depois de ter ouvido aquelas histórias. Mudou completamente a minha vida". O realizador deseja igualmente que o filme possa ter um papel transformativo: "se nós conseguimos passar uma mensagem e se é possível passar essa mensagem para que as pessoas entendam que existem problemas na sociedade, porque não fazê-lo? Todas as armas possíveis que nós precisamos para evoluir enquanto sociedade, devem ser acionadas".

Um filme que honra quem não deixa de acreditar: "Ela mantém sempre a esperança de que o filho esteja vivo. Na verdade ela acredita que o filho dela está vivo e continua e eu acredito no mesmo, na verdade".

"Sombra", com Ana Moreira no papel principal, mas também Vitor Norte, Miguel Borges, Ana Bustorff, Lúcia Moniz e Sara Sampaio. Qualquer semelhança deste filme com factos reais... não é mera coincidência.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de