Souto Moura ganha Prémio Arquitetura do Douro com Central Hidroelétrica do Tua

O arquiteto vencedor do prémio Pritzker 2011 foi o responsável pela conceção do edifício instalado junto à foz do rio Tua, no âmbito da barragem que a EDP construiu entre os concelhos de Carrazeda de Ansiães (Bragança) e Alijó (Vila Real).

O arquiteto Souto Moura venceu este sábado o Prémio de Arquitetura do Douro com a obra da Central Hidroelétrica do Tua, que ficou quase integralmente subterrânea para harmonizar a edificação com a paisagem do Douro Património da Humanidade.

O anúncio foi feito este sábado, em São João da Pesqueira, concelho do distrito de Viseu, durante a cerimónia do 18.º aniversário da classificação do Alto Douro Vinhateiro (ADV) como Património Mundial da UNESCO.

"Queria agradecer à UNESCO, que chumbou o projeto que a EDP queria fazer e que me deu a possibilidade de ter feito este, e agradecer à própria EDP o empenho com que tratou o tema, muito delicado, e a maneira como contornou e lutou para que se efetivasse esta construção contra tudo e todos e que não foi nada fácil", afirmou Eduardo Souto Moura, durante a entrega do prémio.

O arquiteto vencedor do prémio Pritzker 2011 foi o responsável pela conceção do edifício instalado junto à foz do rio Tua, no âmbito da barragem que a EDP construiu entre os concelhos de Carrazeda de Ansiães (Bragança) e Alijó (Vila Real).

O empreendimento, inserido no Plano Nacional de Barragens, foi alvo de muita contestação por causa dos impactos na paisagem protegida do Alto Douro Vinhateiro, classificado como Património Mundial em 2001.

Para o júri do prémio foi "decisiva e determinante a intervenção da arquitetura, enquanto metodologia disciplinar, na construção da Central Hidroelétrica do Tua, acima de tudo, por assegurar a manutenção do Douro Vinhateiro como Património da Humanidade".

Aos jornalistas, o arquiteto contou que este "foi um projeto complicado" e "polémico".

"A própria existência do projeto era contestada, mas de repente, por milagre, ficou tudo calado, silenciado", referiu.

Souto Moura disse ainda que "tentou o mais possível inserir dentro da montanha o conjunto de equipamentos, para diminuir a escala da intervenção".

"O resultado final é que a montanha tem um conjunto de aparelhos técnicos, tal como pode ter automóveis, guindastes, arados, é um conjunto de máquinas e a montanha permanece como ela é. Daqui a uns anos ainda vai ficar mais integrada porque as máquinas vão ficar no meio das oliveiras que estamos a plantar", explicou.

O arquiteto sublinhou que, para si, "um aspeto muito importante que é a reposição da paisagem o mais possível parecida com o que era antes".

Quanto ao Prémio Arquitetura do Douro, Souto Moura disse que foi "uma espécie de confirmação nacional", já que a Central Hidroelétrica do Tua ganhou também, recentemente, o Grande Prémio Internacional de Arquitetura BigMat 2019.

Durante a cerimónia, foi também atribuída uma menção honrosa à dupla de arquitetos Susana Rosmaninho e Pedro Azevedo, com o projeto de arquitetura do Centro Interpretativo do Vale do Tua, que, segundo o júri, representa "um notável projeto de reabilitação, reutilização e valorização de icónicos armazéns devolutos ou abandonados".

A outra menção honrosa foi para o arquiteto Francisco Vieira de Campos, com o projeto de arquitetura da Casa do Rio, unidade de alojamento turístico, em Vila Nova de Foz Côa, que pertence à Quinta do Vallado.

O Prémio Arquitetura do Douro foi criado e lançado em 2006 pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) para promover boas práticas de arquitetura no Património Mundial.

A cada dois anos, o galardão distingue "intervenções de construção, conservação ou reabilitação de edifícios ou conjuntos arquitetónicos" construídos após a classificação pela UNESCO.

O júri do prémio foi composto por representantes da CCDR-N, da Ordem dos Arquitetos Secção Regional Norte, da Entidade Regional do Turismo Porto e Norte e pelo arquiteto Álvaro Andrade, vencedor da última edição com o Centro de Alto Rendimento do Pocinho.

O reconhecimento foi, igualmente, atribuído ao Museu do Côa, da autoria dos arquitetos Camilo Rebelo e Tiago Pimentel, ao Armazém da Quinta do Portal, em Sabrosa, do arquiteto Álvaro Siza Vieira, ao Museu da Vila Velha, em Vila Real, do arquiteto António Belém Lima, e à Adega da Quinta da Touriga, em Foz Côa, do arquiteto António Leitão Barbosa.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de