Teatro do Noroeste apresenta peça que é "quase um documentário sobre a censura"

A adaptação de "A Noite", de José Saramago, está em cena até ao dia 24 de abril no Teatro do Noroeste - Centro Dramático de Viana.

"Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso, toca na rádio de uma redação instalada por estes dias no palco do Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo. A canção toca baixinho e não chega ao fim. A rádio é desligada, entretanto.

Doze atores vestem a pele de jornalistas, tipógrafos e administradores de um jornal e interpretam horas de tensão que antecedem a revolução de Abril de 1974. E que condicionam até à última o fecho da edição do dia seguinte.

"A Noite", a primeira obra dramática de José Saramago, foi adaptada pela companhia Teatro do Noroeste - Centro Dramático de Viana (CDV). Está em cena até ao próximo dia 24 de abril.

O diretor artístico da companhia e autor daquela adaptação, Ricardo Simões, considera que a peça escrita pelo Nobel português da Literatura em 1979 é quase um documentário sobre a censura.

"É brilhante na forma realista na forma como vai ao detalhe de como era uma redação e também na caracterização das personagens. Essencialmente Saramago quer falar do que era a censura, mas de uma forma quase documental. Quase como se fosse um documentário que nos vai mostrar: era assim!", afirma o também ator, que interpreta o chefe de redação.

A "Noite" junta três gerações de atores. Mário Moutinho, que ficou conhecido do grande público pela participação na série "Os Andrades", veste a pele de diretor do jornal e é o mais velho do elenco. "Para mim tem um significado enorme. Fazer uma peça do Saramago e para mais esta, que tem a ver com o 25 de Abril, foi realmente um desafio a que não podia dizer que não. Para a carreira de um ator é fascinante fazer este papel numa peça que retrata uma das noites mais importantes da nossa História contemporânea", disse Mário Moutinho.

A redação instalada no palco do Sá de Miranda é ainda composta por Alexandre Calçada (tipógrafo), Adriel Filipe (continuo), Rafaela Sá (estagiária), Alexandre Martins (chefe da tipografia), Ana Perfeito (redatora), Elisabete Pinto (secretária de redação), José Escaleira (administrador do jornal), Nuno J. Loureiro (redator internacional Guimarães), Philippe Leroux (jornalista) e Tiago Fernandes (redator parlamentar).

A adaptação de "A Noite" pelo Teatro do Noroeste - CDV foi a primeira a avançar para as comemorações dos 100 anos de José Saramago. "O espetáculo está inserido nas comemorações do centenário através de um protocolo com a Fundação José Saramago e ficamos muito felizes quando o fomos assinar e nos foi dito que éramos a primeira companhia, a primeira entidade artística, que se propôs a fazer o teatro de Saramago", contou Ricardo Simões.

O espetáculo está em cena desde o passado dia 7 de abril. Tem tido casa cheia. E na noite de 24 abril, domingo, a (última) apresentação será às 23h00.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de