"Um temporal" chamado Marina

Não é à toa que lhe chamam a musa da sensualidade, e o novo fenómeno da pop brasileira aqueceu a última noite do festival em Porto Covo: "Pode ser o lugar mais frio do mundo, onde eu chego fica calor."

A praça não teve a enchente das duas noites anteriores, mas a sensualidade da cantora brasileira e das duas dançarinas em palco fez subir a temperatura em Porto Covo. "A arte é magia, é ela que nos diz o caminho" responde a cantora brasileira cujo álbum de estreia "De Primeira" catapultou a artista de Minas Gerais para os tops de venda e das redes sociais: "A inclusão das mulheres em todas as pautas é importante para evoluirmos enquanto sociedade e o festival tem isso. É muito importante colocarmos isso no coração das pessoas."

A temperatura das eleições no Brasil também não escapa à jovem artista assumidamente 'petista': "O meu pai me ensinou e aprendi o que o Lula fez pelo Brasil, e quero de novo", diz. Já sobre Bolsonaro, que tinha horas antes oficializado a recandidatura ao Planalto, comenta: "É só desordem e caos, é ridículo o que ele faz com o país."

Ainda não há data para o lançamento do segundo álbum de Marina Sena, mas há músicas que chegavam para dois discos, e o desejo de cantar em crioulo de Cabo Verde, "a língua mais bonita do mundo", não esmoreceu. "Vou convidar, não sei se vai dar", sugerindo a vontade de poder cantar com Mayra Andrade, uma das divas da nova pérola da música pop brasileira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de