UGT considera insuficientes apoios para famílias no Orçamento Suplementar

União sindical considera que medidas não são suficientes para combater pobreza das famílias.

PorTSF/Lusa
© António Cotrim/Lusa

A UGT considera que o Orçamento Suplementar apresentado esta terça-feira pelo Governo transcreve o Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), que considera insuficiente para resolver os problemas de empobrecimento dos trabalhadores e das famílias.

O sindicato reconhece como positiva a compensação que vai ser atribuída aos trabalhadores que perderam um terço do salário enquanto estiveram em 'lay-off' simplificado, assim como as políticas ativas de emprego, mas considera que é preciso mais.

Ouvido pela TSF, o líder da UGT mostra-se desiludido com a falta de medidas para os precários

Your browser doesn’t support HTML5 audio

A UGT defende que é preciso impedir o despedimento dos trabalhadores precários, muitos dos quais ficaram desempregados assim que começou a crise.

O Governo apresentou, esta terça-feira, a proposta de Orçamento Suplementar para 2020, que prevê um défice de 6,3% este ano e um rácio da dívida pública face ao Produto Interno Bruto (PIB) de 134,4% em 2020.

Carlos Silva apela ao Governo para que disponibilize mais apoio

Your browser doesn’t support HTML5 audio

O documento, que surge como resposta à crise provocada pela covid-19, reflete o Programa de Estabilização Económica e Social e prevê, entre outras medidas, um reforço adicional do orçamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 500 milhões de euros.

A proposta do Governo de revisão do Orçamento do Estado de 2020 é debatida na Assembleia da República no próximo dia 17.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG