Assembleia de credores da Coelima decide esta sexta-feira o futuro da têxtil de Guimarães

Entre os principais credores da Coelima destacam-se os trabalhadores, a Caixa Geral de Depósitos, o Fundo Autónomo de Apoio à Concentração e Consolidação de Empresas, o Novo Banco e o BCP.

Os credores da Coelima reúnem-se esta sexta-feira, no Juízo de Comércio de Guimarães, para apreciarem o relatório do administrador de insolvência da empresa, que nas últimas semanas recebeu três propostas de compra por parte de congéneres do Vale do Ave.

"Espero que o assunto fique resolvido ou, pelo menos, muito bem encaminhado", avançou recentemente à agência Lusa o administrador de insolvência da fabricante de têxteis lar, Pedro Pidwell.

Parte integrante do grupo MoreTextile - que, em 2011, resultou da fusão com a JMA e a António Almeida & Filhos e cujo acionista principal é o Fundo de Recuperação gerido pela ECS Capital -, a Coelima apresentou-se à insolvência no passado dia 14 de abril, na sequência da quebra de vendas "superior a 60%" provocada pela pandemia e da não aprovação das candidaturas que apresentou às linhas covid-19.

"A empresa decidiu avançar com o pedido de insolvência, fruto da situação criada pela pandemia, que provocou uma forte redução das vendas e uma pressão sobre a tesouraria insustentável", adiantou à agência Lusa fonte oficial da têxtil, aquando da apresentação à insolvência.

Fonte do gabinete do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, garantiu, contudo, à agência Lusa que "não deu entrada qualquer operação da Coelima no grupo Banco Português de Fomento no âmbito das linhas covid-19".

O anúncio da sentença de declaração de insolvência da Coelima foi publicado em 22 de abril, com a empresa a apresentar um passivo de perto de 30 milhões de euros e cerca de 250 credores no final de 2020.

Apesar de ter inicialmente manifestado a intenção de apresentar um plano de insolvência com vista à recuperação da empresa, a administração da têxtil de Guimarães acabaria por recuar e, em 26 de maio, avançou à Lusa não estarem "reunidas as condições que permitam assegurar a manutenção da exploração".

Ainda assim, a administração dizia estar "em curso um processo de aproximação por parte de um consórcio de investidores que poderão permitir a preservação da atividade económica desenvolvida pela Coelima".

A confirmação chegaria alguns dias depois, com a entrega em tribunal de uma primeira proposta de compra da empresa, por parte de um consórcio de Guimarães composto pelas sociedades RTL (detida pelo empresário e antigo trabalhador da Coelima Alfredo Jorge Teixeira) e José Fontão & Cia, que assume como "fim único manter viva a empresa e a marca Coelima, empresa centenária, histórica e que alberga mais de 250 famílias através dos seus trabalhadores".

A esta primeira proposta seguiram-se, nos dias seguintes, duas outras, também de empresas interessadas em manter em atividade a Coelima e assegurar os cerca de 250 postos de trabalho existentes: uma de um consórcio constituído pela Felpinter, de Santo Tirso, e pela Mundotêxtil, de Vizela; e outra da têxtil Mabera, de Vila Nova de Famalicão.

Entre os principais credores da Coelima destacam-se os trabalhadores (que reclamam créditos de 10,82 milhões de euros), a Caixa Geral de Depósitos (10,44 milhões de euros), o Fundo Autónomo de Apoio à Concentração e Consolidação de Empresas (FACCE, que reclama 9,61 milhões de euros), o Novo Banco (7,41 milhões de euros) e o BCP (4,82 milhões de euros).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de