BPI escolhe João Pedro Oliveira e Costa para novo presidente executivo

Pablo Forero, que estava no cargo até agora, vai-se reformar. O nome de João Pedro Oliveira e Costa tem de ser aprovado pelas autoridades.

O Conselho de Administração do BPI escolheu João Pedro Oliveira e Costa para novo presidente executivo, anunciou o banco, sucedendo ao espanhol Pablo Forero, que se vai reformar.

"O Presidente da Comissão Executiva do Banco BPI, Senhor Pablo Forero, 64 anos, comunicou ao Conselho de Administração do Banco BPI a sua decisão de se reformar no final do seu mandato. O Conselho de Administração do Banco BPI, reunido em 04 de maio de 2020, tomou conhecimento desta intenção e decidiu indigitar para o mandato 2020-2022, em substituição do senhor Pablo Forero, o Dr. João Pedro Oliveira e Costa, 54 anos, atual vogal do Conselho de Administração e da Comissão Executiva", lê-se na informação comunicada ao mercado, através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O BPI acrescenta que a eleição de João Pedro Oliveira e Costa apenas se irá concretizar "depois da necessária aprovação das autoridades de supervisão".

Pablo Forero é presidente executivo do BPI desde inícios de 2017, quando substituiu Fernando Ulrich (que passou a Presidente do Conselho de Administração, 'chairman') após o sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI, o grupo espanhol que hoje controla todo o banco.

Há duas semanas, quando os responsáveis dos principais bancos que operam em Portugal foram chamados a audições no parlamento a propósito das medidas da banca de apoio à economia, os representantes do BPI foram os administradores Pedro Barreto e João Pedro Oliveira e Costa.

João Pedro Oliveira e Costa disse então, perante os deputados, que não deve ser posto sobre os bancos todo o peso da resolução dos problemas da atual crise provocada pela covid-19.

"O que está a passar vai ter consequências muito complicadas para a economia e para os seus agentes e no meio desses agentes estão os bancos e penso que não podemos, ou não devemos, colocar em cima dos bancos todo o peso de resolução das situações que vêm pela frente, porque vai ser impossível", disse aos deputados das comissões parlamentares de Economia e de Orçamento e Finanças.

O responsável defendeu que "vários outos agentes têm de vir a terreno dar o seu contributo", caso da União Europeia mas também do próprio Estado, que "terá de ter outra intervenção, outro tipo de iniciativas".

"Todos temos de ter uma postura e abordagem construtiva face a tudo o que vem pela frente, não vai ser possível o setor financeiro sozinho acudir a todas as situações", acrescentou.

Sobre o BPI, João Oliveira e Costa indicou que o banco prevê um "impacto significativo" desta crise nas provisões e na rentabilidade.

Segundo a breve nota curricular hoje divulgada pelo BPI, João Pedro Oliveira e Costa é licenciado em Gestão de Empresas pela Universidade Católica, tendo iniciado a carreira no grupo BCP, onde esteve dois anos, e trabalha há cerca de 30 anos no grupo BPI.

Desde 2014, é membro da comissão executiva do banco tendo como responsabilidade as áreas de negócio de particulares, premier, private banking e negócios. É também administrador não executivo da companhia de seguros Allianz Portugal e da Sociedade Gestora BPI (Suíça).

Em comunicado de imprensa, também hoje divulgado, o Conselho de Administração do BPI agradece a Pablo Forero "o excelente trabalho" do seu mandato (2017-2019), considerando que concluiu "com absoluto êxito" a integração do BPI no Grupo CaixaBank e melhorou indicadores de solidez e rentabilidade e a força comercial do banco.

Sobre João Pedro Oliveira e Costa, o Conselho de Administração considerou que o seu percurso no banco é uma "renovada garantia de continuidade da posição de referência do Banco BPI no sistema financeiro português".

Pablo Forero, citado em comunicado, considerou que a sua "missão está cumprida" e que "este é o momento apropriado para passar o testemunho a um novo presidente executivo, português, formado na casa e respeitado por todos".

O BPI apresenta, esta segunda-feira, em conferência de imprensa os resultados do primeiro trimestre de 2020. Em 2019, o banco teve lucros de 327,9 milhões de euros, menos 33% do que os 490,6 milhões de euros registados em 2018.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de