Carlos Costa compara venda do Novo Banco à de cabaz de fruta "parcialmente apodrecida"

Antigo governador do Banco de Portugal admite que não havia opções boas para a operação, pelo que os responsáveis tentaram encontrar o cenário "menos mau".

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, considerou que o processo de venda do Novo Banco, em 2017, foi como alienar "um cabaz de fruta que está parcialmente apodrecida".

"A questão é sempre a mesma: eu vou vender um cabaz de fruta que parcialmente está apodrecida. Eu não posso contar com a benevolência ou generosidade do comprador para que ele me pague toda a fruta como sendo de qualidade", disse Carlos Costa esta segunda-feira no parlamento.

Respondendo à deputada Cecília Meireles (CDS-PP) na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, o antigo governador do banco central considerou necessário "ter em consideração o custo de não vender, que era apodrecer a fruta toda", ou seja, a liquidação do banco.

Carlos Costa admite que, aquando da operação de venda, não havia opções boas e o objetivo era encontrar a solução "menos má" porque, no estado em que o banco estava, a venda nunca poderia resultar num desfecho positivo.

O menos mau "consistia em fazer a melhor operação de venda tendo em conta que nos caiu nas mãos um banco que entrou em insolvência no dia 30 de julho de 2014", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de