Centeno diz que país tem de preparar-se para "desaceleração" económica após 2022

Governador do Banco de Portugal defende que cenário deve ser encarado não como um risco, mas como um desafio.

O governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, alertou esta quarta-feira que Portugal terá de preparar-se para a desaceleração económica depois de 2022, apontando à reafetação de recursos na economia nacional.

"Os desafios de crescimento que se colocavam anteriores à crise vão estar outra vez presentes na economia portuguesa", disse Mário Centeno hoje aos jornalistas, na conferência de imprensa de apresentação do Boletim Económico de outubro, que decorreu no Museu do Dinheiro, em Lisboa.

Segundo o governador do banco central, o país terá de "antecipar uma desaceleração muito significativa do crescimento económico".

"É preciso que todos estejamos preparados para interpretar o que isso significa", avisou, rejeitando, porém, que esta necessidade seja sinónimo de preocupação.

"Isto não tem nenhum tom de preocupação do sentido de um risco. Tem de um desafio, porque é sempre um desafio para qualquer economia crescer e nós devemos voltar a esse estado de preparação e de análise, e não estamos acostumados a que a economia portuguesa cresça 5%, ou próximo disso, como irá acontecer quer em 2021, quer em 2022", sustentou.

Para o governador do Banco de Portugal, a desaceleração virá por "dois motivos", um dos quais a retoma de "níveis de atividade idênticos aos dos períodos pré-crise".

"Depois, porque para fazer crescer uma economia temos necessidade dessa reafetação de recursos entre setores. É assim que as economias crescem. Portanto, nós temos de estar preparados para a necessidade de observar essa reafetação", disse, elencando, assim, o segundo motivo.

O governador disse também que o fim dos apoios à manutenção do emprego, que considerou terem sido aplicados "da forma correta", e a entrada em cena das transições digital e climática também "vai acelerar este processo de reafetação de recursos".

"Quer o lay-off simplificado, quer o apoio à retoma progressiva tinham como condição de acesso por parte das empresas a não redução dos níveis de emprego e, nalguns casos, inclusive, a manutenção de todos os postos de trabalho como eles existiam", começou por lembrar.

No futuro, "a eliminação destas restrições vai, naturalmente, levar a esse reajustamento, e não é algo que seja possível de controlar, de coordenar, de forma organizada".

Para Mário Centeno, "são os mercados que se vão ajustar a estes incentivos e a estes impulsos vindos da transição climática e da digitalização, também".

"Estamos de volta aos debates sobre o crescimento estrutural da economia portuguesa, e esse debate já não é um debate que deva ser tido no contexto da crise sanitária. É um debate mais longo e mais, se calhar, para a próxima fase, crucial", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de