Crise da pandemia vai levar tempo a recuperar

O FMI alerta a Europa para que, a médio prazo, não se vai conseguir inverter o impacto da pandemia na atividade económica.

Nas perspetivas económicas para a Europa, o Fundo Monetário Internacional (FMI) revela que "as perspetivas para 2020 continuam sombrias e a recuperação será prolongada e desigual".

No documento divulgado esta quarta-feira é assumido que "a economia europeia vai contrair 7% em 2020 e vai entrar em recuperação em 2021 ao atingir 4,7% do PIB". Uma contração do PIB na ordem dos 7% é maior que a Europa enfrenta desde a Segunda Guerra Mundial, mesmo assim houve uma melhoria face à previsão de junho do FMI que era de - 8,5%.

Na Europa quem está com pior desempenho é um grupo de países onde se inclui Portugal. É o grupo dos estados acima de 10% de recuo do PIB: Espanha (-12,8%), Letónia (-10,6%) e Portugal (-10%) são os países da zona Euro com -10% do PIB em 2020.

Num cenário destes é difícil fazer previsões e por isso o FMI diz que "as perspetivas são excecionalmente incertas" porque "o contínuo ressurgimento de casos de infeção em toda a Europa apresenta talvez o maior risco negativo nesta fase" mas o FMI chama também a atenção para "um Brexit sem acordo também implicaria um choque adicional e potencialmente considerável para a atividade" económica a juntar à pandemia.

Para o FMI, "um dos principais desafios enfrentados pelos atores políticos no curto prazo será calibrar as medidas de contenção para minimizar os danos sociais e económicos imediatos".

Assim, "será imperativo manter o apoio às políticas até que a recuperação esteja totalmente consolidada. Uma redução prematura das políticas de apoio poderia arrastar os países de volta à recessão, desfazendo muito do que foi alcançado até agora".

O apoio aos empregos e negócios deve ser mantido, inclusive por meio de programas de retenção de empregos, como o lay-off.

E "as autoridades de supervisão bancária devem continuar a exercer a flexibilidade prudencial para não comprometer o fluxo de crédito".

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de