Empresas de distribuição insistem na redução da carga fiscal para empresas e consumidores

A APED considera que devem ser contempladas na proposta de OE2022 estão apoios às empresas, "com incentivos à formação e à requalificação dos recursos humanos".

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) insiste na redução da carga fiscal para as empresas e para os consumidores, que deve ser incluída no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

"Insistimos na necessária redução da carga fiscal para as empresas e para o consumidor. Aqui não falamos apenas de IRC e IRS, mas também todos os impostos associados ao investimento e consumo e as tributações autónomas", disse a associação à Lusa.

Entre as linhas prioritárias que a APED considera que devem ser contempladas na proposta de OE2022, que será conhecida em 11 de outubro, estão apoios às empresas, "com incentivos à formação e à requalificação dos recursos humanos, com foco especial nos dossiês da digitalização das empresas e das alterações decorrentes da legislação ambiental e seus objetivos".

Para a associação, "as mudanças nas empresas não podem ser feitas sem os apoios necessários e o setor da distribuição está a ser particularmente visado pela legislação nacional e europeia em matérias tão diversas como o plástico e a sua utilização racional, o combate ao desperdício alimentar, o plástico de uso único e temas adjacentes".

Por fim, a APED entende também que deve estar incluído "investimento em infraestruturas que possibilitem a capacitação do país para a transição digital e medidas de apoio à descarbonização das empresas e dos seus processos, quer através de incentivos fiscais quer pela via do investimento direto".

"A APED considera que o OE 2022 deve privilegiar a recuperação económica das empresas, o reforço das políticas de saúde, do emprego e a estabilidade de várias matérias essenciais para a sociedade", apontou.

De acordo com a nova Lei de Enquadramento Orçamental, a proposta de OE2022 tem de ser entregue no parlamento até dia 10 de outubro (em vez de até dia 15 de outubro, como aconteceu nos anos anteriores).

Segundo disse à Lusa fonte oficial do Ministério das Finanças, tendo em conta que, este ano, o dia 10 de outubro é a um domingo, a proposta de OE2022 será entregue no dia útil seguinte, ou seja, na segunda-feira, dia 11.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de