Governo quer administração pública flexível e que não faça "sempre a mesma coisa"

A ministra da Modernização Administrativa defende que a alteração de necessidades é muito rápida e que, por isso, os funcionários do Estado devem adaptar-se com celeridade.

Uma administração pública flexível onde os funcionários do Estado não fazem sempre a mesma coisa. É esta a visão da ministra da Modernização Administrativa para o futuro. Alexandra Leitão encontra-se esta quarta-feira na abertura do congresso da Administração Pública, um congresso que só se realiza de dois em dois anos e que este ano é dedicado ao tema das "competências emergentes".

Em declarações à TSF a ministra Alexandra Leitão sublinhou a importância da flexibilidade na função pública. "As competências emergentes são aquelas que permitem dar à administração pública a flexibilidade que ela tem de ter para responder às mudanças que a sociedade lhe impõe", analisou.

Na perspetiva de Alexandra Leitão, a função pública deve ser um exemplo de adaptação nas respostas à realidade que se apresenta. "Um trabalhador da administração pública não pode fazer sempre a mesma coisa; hoje é urgente fazer uma coisa e amanhã é urgente fazer outra. Esta flexibilidade é o que em cada momento for preciso fazer, e nada como o que se está a passar neste ano nos mostrou o quão necessário é, de repente, mandar para casa alunos, mandar para casa trabalhadores, tirar cartões de cidadão online... Esta é a grande mensagem que temos de passar."

A governante reconhece, no entanto, que esta flexibilidade e as novas competências digitais não são fáceis de aplicar numa administração pública que está envelhecida: "É verdade que pessoas com mais idade ou mais cansadas poderão ter mais dificuldade, mas também é verdade que muitas vezes é injusto dizer que não têm essa capacidade e até esse gosto."

No entanto, para Alexandra Leitão, a idade não tem de ser vista como uma barreira. "Sem prejuízo no forte objetivo que temos de rejuvenescimento - no Programa de Estabilização, temos a regra do um para um no que toca aos técnicos superiores da administração pública -, acho que também é importante dizer que todos somos capazes de nos adaptar, assim tenhamos a capacitação e formação necessárias."

No congresso nacional dedicado à administração pública serão debatidos os desafios inerentes aos serviços do Estado. A iniciativa tem uma duração de três dias e decorre maioritariamente online.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de