Lucros da EDP caíram para 100 milhões de euros no primeiro trimestre

Queda nos valores é justificada com a escassez de chuva e vento que afetou a produção das barragens e centrais eólicas.

A EDP teve lucros de 100 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 39% do que nos primeiros três meses de 2018, divulgou hoje a elétrica liderada por António Mexia ao mercado.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP justifica a queda dos lucros devido aos escassos recursos renováveis (pouca chuva e pouco vento), afetando a produção das barragens e das centrais eólicas, apesar da expansão do portfólio de ativos neste período.

"O crescimento nas redes no Brasil, comercialização e a expansão do portfólio renovável foi anulado pelos efeitos de fracas hidraulicidade e eolicidade e elevada taxa efetiva de imposto no trimestre (27%), acima da taxa esperada para 2019", refere.

Entre janeiro e março, o EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da elétrica totalizou 921 milhões de euros, o equivalente a uma subida homóloga de 3%.

Por sua vez, os resultados financeiros líquidos desceram, no período em causa, 43% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, para -180 milhões de euros.

Já a dívida líquida da empresa liderada por António Mexia aumentou 268 milhões de euros no primeiro trimestre para 13,7 mil milhões de euros, "reflexo de aceleração de crescimento e do pagamento a fornecedores de imobilizado".

O investimento operacional consolidado, por seu turno, ascendeu a 344 milhões de euros, "reflexo da estratégia de diversificação do portefólio a nível geográfico", sendo que 32% do investimento operacional foi alocado ao Brasil, 15% na América do Norte, 43% na Península Ibérica e 10% no resto da Europa.

A capacidade instalada total da EDP avançou 2% em termos homólogos, tendo atingido 27,2 Gigawatts em março, resultado "da entrada em operações de novos parques eólicos".

Também em março, 74% do portfólio da EDP correspondia a capacidade renovável.

Em termos de produção total, nos primeiros três meses do ano, o peso das renováveis ascendeu a 69%.

"A EDP mantém o enfoque na aposta na satisfação dos clientes, qualidade de serviço e maior envolvimento com os seus clientes, cujo portfólio ascende a 11,4 milhões da Península Ibérica e Brasil", lê-se no documento.

Na sessão de hoje da bolsa, a EDP subiu 1,05% para 3,19 euros.

Continuar a ler