UGT elogia Soares dos Santos, o "empresário que criou muitos postos de trabalho"

O secretário-geral da UGT enalteceu o mérito empresarial e a relação de proximidade com os trabalhadores.

O Secretário-geral da UGT, Carlos Silva, considerou "lamentável" a morte, na sexta-feira, do empresário Alexandre Soares dos Santos, enaltecendo o seu mérito empresarial e a relação de proximidade com os seus trabalhadores.

"É lamentável, mas é a vida, é mesmo assim!", disse à Lusa o secretário-geral da UGT, referindo-se à morte, aos 84 anos em Lisboa, do antigo presidente da Jerónimo Martins (JM).

Ressalvando não ter uma relação próxima com o empresário, Carlos Silva disse reconhecer, no entanto, o mérito profissional de Soares dos Santos: "Foi um empresário que criou muitos postos de trabalho e uma relação de proximidade com aqueles a quem dava emprego", disse, destacando ainda o facto de a sua morte ter ocorrido já depois de o empresário ter deixado a sua família à frente do seu projeto empresarial.

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, também em declarações à Lusa, apresentou condolência à família do empresário, mas escusou-se a mais comentários.

Elísio Alexandre Soares dos Santos nasceu no Porto em 1934, começando a carreira profissional em 1957 na Unilever e depois, até 1967, foi diretor de marketing da Unilever Brasil, entrando no ano seguinte para o conselho de administração da JM como administrador-delegado, cargo que acumulou com o de representante da JM na 'joint-venture' com a Unilever.

Em fevereiro de 1996 passou para a presidência do conselho de administração da JM, cargo que ocupou até abril de 2003, quando passou a presidente não executivo ('chairman'), até 18 de dezembro de 2013.

A sua liderança empresarial ficou marcada pela transformação de um negócio familiar, iniciado com uma loja no Chiado, em Lisboa, em 1792, num dos maiores grupos de distribuição em Portugal, êxito que contribuiu para ser considerado um dos homens mais ricos do país.

O crescimento e a internacionalização do grupo levaram-no para a Polónia e Colômbia, depois de uma primeira experiência problemática no Brasil.

Além da obra empresarial, Soares dos Santos deixou também presença no panorama sociopolítico, designadamente através da Fundação Francisco Manuel dos Santos, e dos juízos críticos que fazia com frequência sobre a conjuntura político-económica e os seus protagonistas.

A Fundação, criada em 2009, gere o portal "Pordata", Base de Dados do Portugal Contemporâneo, e uma coleção de livros de ensaio sobre temas da atualidade, além de organizar debates sobre temas da atualidade.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou-o, em abril de 2017, com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de