Medidas de coação levantadas ao ex-diretor do BES na Madeira

João Alexandre Silva é suspeito de ter corrompido dirigentes políticos venezuelanos.

João Alexandre Silva, o antigo diretor do Banco Espírito Santo na Madeira, viu serem-lhe levantadas as medidas de coação, avança o Diário de Notícias da Madeira. O ex-diretor do BES é suspeito de ter corrompido dirigentes políticos venezuelanos.

Agora já não tem de apresentar-se todas as semanas na polícia e pode viajar para fora do país sem limite de tempo, nomeadamente para o Dubai, onde tem residência. É o que resulta da decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, que na passada quinta-feira deu razão a um recurso do gestor bancário madeirense e lhe revogou as medidas de coação.

O acórdão alega que não é possível continuar a impor medidas cautelares a João Alexandre da Silva, uma vez que o inquérito já decorre há quatro anos e ainda não foi deduzida a acusação.

O arguido já esteve em prisão preventiva domiciliária entre junho de 2017 e maio de 2018. Nesta data voltou a ficar em liberdade, mas com o passaporte apreendido e obrigado a apresentações semanais na polícia.

No âmbito da investigação aos negócios do Grupo Espírito Santo, o antigo gestor bancário é suspeito de ter participado em atos de corrupção de dirigentes políticos na Venezuela.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de