O orçamento "sem passos atrás", a greve dos enfermeiros e outros destaques TSF

No dia em que o ministro das Finanças apresentou o Orçamento do Estado para o próximo ano, os enfermeiros anunciaram uma paralisação na primeira semana de novembro.

São muitas as medidas da proposta do Orçamento do Estado para 2022, entregue na Assembleia da República na noite de segunda-feira, que vão mexer no bolso dos portugueses. Ou não fosse este um documento dedicado "às classes médias e focado nos jovens". Do desdobramento dos escalões do IRS aos aumentos das pensões, sem esquecer o apoio às crianças mais pobres e as mais-valias mobiliárias, fique a conhecer algumas das principais medidas do Orçamento para o próximo ano.

O ministro das Finanças pede "sentido de responsabilidade e exigência" referindo-se a eventuais riscos de o Orçamento do Estado para 2022 não ser viabilizado. Num piscar de olho à esquerda, João Leão deu a entender que é necessário aprovar o documento "sem passos atrás e sem passos maiores do que a perna".

O Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, explica que o Governo tem feito um ajustamento nas tabelas de retenção na fonte do IRS "porque devem espelhar a verdadeira liquidação do imposto". António Mendonça Mendes adianta ainda que a redução de IRS vem completar o que foi feito em 201.8 "Apenas por via dos escalões, são devolvidos mais de 500 milhões de euros às famílias", aponta.

O redesenho dos escalões do IRS abrangerá mais de um milhão e meio de agregados com rendimento coletável superior a 10.736 euros. Veja aqui a simulação.

A primeira semana de novembro vai ser de greve para os enfermeiros. A decisão de convocar a paralisação foi tomada esta segunda-feira, numa reunião que juntou sete sindicatos do setor, adianta o presidente do Sindicato dos Enfermeiros à TSF.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de