Orçamento que será apresentado pelo Governo "é o que já estava previsto", afirma Medina

O futuro ministro das Finanças reconhece, no entanto, que é preciso dar resposta a uma série de imprevistos. Fernando Medina adianta também que o Orçamento será apresentado "muito rapidamente depois da posse do novo governo".

Fernando Medina, escolhido por António Costa para ministro das Finanças, afirma que o Governo vai manter o Orçamento que já apresentou e que foi chumbado.

Com a guerra na Ucrânia, Medina reconhece que é preciso dar resposta a uma série de imprevistos, mas o futuro ministro das Finanças também diz que o Orçamento que o Governo já aprovou é o que vai ser apresentado.

"O orçamento que será apresentado é o Orçamento que estava previsto, adaptado com um conjunto adicional de matérias que foram negociadas com os partidos, nomeadamente com os partidos à esquerda, e que serão vertidas dentro do texto do Orçamento do Estado. Isso será feito muito rapidamente depois da posse do novo Governo", afirma, em declarações à CNN Portugal.

Fernando Medina considera ainda que a "função primordial de um governo é precaver os imprevistos", bem como "as consequências mais nefastas sobre o país no contexto em que estamos a viver".

O ex-presidente da Câmara de Lisboa Fernando Medina foi o nome escolhido por António Costa para o cargo de ministro das Finanças, proposta aceite na quarta-feira pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Fernando Medina, antigo secretário de Estado dos governos de José Sócrates e presidente da Câmara de Lisboa entre 2015 e setembro de 2021, altura em que perdeu as eleições autárquicas para o social-democrata Carlos Moedas, sucede a João Leão na pasta das Finanças.

Membro do Secretariado Nacional do PS e apontado como um potencial sucessor de António Costa na liderança dos socialistas, Fernando Medina foi eleito deputado em quinto lugar pelo círculo eleitoral de Lisboa nas últimas eleições legislativas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de