Plenário dos pilotos da TAP "foi cancelado e será resolvido na justiça"

Sindicato não coloca de parte a realização de uma greve neste verão, mas o assunto ainda vai a assembleia geral.

Os pilotos da TAP cancelaram o plenário marcado para esta sexta-feira depois de terem estado reunidos, esta quinta-feira, com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, mas não colocam de parte uma greve neste verão.

"O plenário foi cancelado e será resolvido na justiça", revelou aos jornalistas o presidente do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), Tiago Faria Lopes.

Questionado à saída da reunião sobre se os pilotos teriam sido persuadidos a anular este encontro, o líder do sindicato assinalou que "a TAP simplesmente não o autorizou", pelo que "não fazia sentido" manter o plenário.

Sobre se os pilotos podem avançar para uma greve neste verão, Tiago Faria Lopes indicou que esse é um assunto a discutir em assembleia geral.

Plenário recusado e cortes

O SPAC reuniu-se com o ministro das Infraestruturas e da Habitação para discutir a recusa da TAP em permitir um plenário nas instalações da empresa.

"O SPAC viu hoje recusada pela TAP o exercício do seu direito de reunião com os trabalhadores nas instalações da empresa, com base no alegado risco de não serem assegurados serviços essenciais e urgentes pelos Pilotos, se a reunião tivesse lugar", afirmou esta quarta-feira, em comunicado.

O sindicato sublinhou que cumpriu todos os preceitos legais e necessários para a realização da reunião de trabalhadores nas instalações da TAP, negando os números avançados pela transportadora, relativamente a eventuais prejuízos resultantes da pausa na operação.

"A TAP optou por negar os direitos mais básicos dos seus trabalhadores, seguindo uma linha de atropelos às condições de trabalho e ao exercício de direitos garantidos por Lei", afirmou.

Este domingo, a TAP anunciou que vai reduzir em 10% o corte que os pilotos sofreram nos vencimentos e aumentar o patamar a partir do qual aplicará reduções nos salários dos restantes trabalhadores.

Na segunda-feira, o SPAC acusou a TAP de "manipulação e propaganda" e garantiu que iria acionar "todos os mecanismos legais" para contestar o que dizem estar a ser "incumprido".

Christine Ourmières-Widener, presidente da Comissão executiva da TAP disse esta terça-feira em conferência de imprensa que a administração quer "manter uma boa relação com os sindicatos", acrescentando que espera que haja "respeito dos dois lados".

Questionada sobre uma eventual greve na TAP, Ourmières-Widener disse que a discussão com os sindicatos vai continuar e que "a administração está a fazer tudo para salvar a companhia" e que quer fazê-lo "com todos os trabalhadores".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de