Salários: Proposta do Governo é insuficiente mas há "expectativa" de a melhorar

Para a Fesap, os aumentos salariais (entre 8% e 2% com a garantia de um mínimo de 52 euros) para 2023 não estão ainda fechados.

O secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), José Abraão, voltou esta sexta-feira a considerar insuficiente a proposta do Governo de valorização salarial, mas manifestou expectativa de que possa ainda haver melhorias.

"Os aumentos salariais [propostos] são insuficientes", disse o dirigente sindical, salientando que não considera que a negociação esteja ainda fechada e que até à aprovação da proposta do Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) vão "insistir e negociar seja nesta sede [com o Governo] seja junto dos partidos políticos na expectativa de que se possa melhorar".

José Abraão falava no final de uma reunião com a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, e com secretária de Estado da Administração Pública, Inês Ramires, realizada em Lisboa ao abrigo da negociação suplementar, pedida pelos sindicatos da função pública.

Para a Fesap, os aumentos salariais (entre 8% e 2% com a garantia de um mínimo de 52 euros) para 2023 não estão, assim, ainda fechados, até porque, sublinhou o dirigente sindical, "não se percebe" o motivo dos 2% (para salários brutos acima dos 2.700 euros), tendo em conta a inflação prevista para este ano e para o próximo.

A proposta do Governo para a atualização salarial aponta para uma lógica plurianual, prevendo ainda uma valorização das carreiras gerais de técnico superior, assistente técnico e assistente operacional, nomeadamente a atribuição de um 'bónus' de 52 euros aos técnicos superiores até ao final da legislatura -- além dos aumentos salariais anuais previstos.

No final da reunião de hoje, a ministra da Presidência adiantou que o Governo propôs aos sindicatos que esta valorização de 52 euros pudesse ser feita em dois anos em vez dos quatro inicialmente propostos, afirmando que o novo desenho será ainda negociado com os sindicatos.

Recorde-se que, na semana passada, o Governo já tinha admitido antecipar para janeiro de 2023 estes bónus, no caso dos técnicos superiores das 3.ª e 4.ª posições remuneratórias.

Sobre a nova proposta, José Abraão afirmou que os sindicatos vão agora "refletir" sobre ela, prometendo uma tomada de posição para a próxima semana, mas deixando já o aviso: "O que aqui está não chega".

O novo ritmo proposto, referiu, é provavelmente "curto" tendo em conta os níveis remuneratórios da carreira de técnico superior, salientando ser também necessário verificar de que forma é que isto impacta com as carreiras especiais.

Além da vertente remuneratória, a Fesap salienta haver no "chapéu" da negociação um conjunto de matérias relevantes, nomeadamente a revisão do sistema de avaliação de desempenho (SIADAP) ou a revisão das carreiras especiais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de