Sindicato de Motoristas diz que contrato coletivo "é exequível"

Francisco São Bento respondeu à Antram e garantiu que o setor tem capacidades financeiras para cumprir o contrato.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) acredita que o contrato coletivo assinado no final de outubro é exequível e que a Antram está a afrontar a boa-fé dos trabalhadores.

Depois de André Matias de Almeida ter alertado para a possibilidade de despedimentos coletivos e insolvências em 2020, o presidente do sindicato, Francisco São Bento, explicou na TSF que a organização "conhece perfeitamente o setor e sabe das capacidades financeiras que existem".

"Este comunicado apenas transmite, por parte da Antram, o tema que sempre manifestaram que é colocar algum receio nos profissionais do setor, colocando em jogo os seus locais de trabalho e ameaçando com despedimentos coletivos", referiu.

O responsável reitera que o contrato em causa é "exequível" e "fica muito aquém das capacidades financeiras que o setor tem para fazer face a este acréscimo de encargos salariais".

Matias de Almeida alertou que a situação do setor "pode ser alarmante e prejudicar gravemente, primeiro as empresas de transporte e, depois, as empresas e a economia nacional".

"As empresas não terão capacidade para absorver e internalizar todos os custos", assegurou.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de