Siza Vieira diz que processo do aeroporto é "mesmo lamentável" e junta-se a Marcelo nos apelos

Marcelo Rebelo de Sousa considera que uma das virtudes das eleições é a possibilidade de clarificação de alguns assuntos e que é isso que espera que os candidatos eleitorais façam, nomeadamente, sobre o futuro da TAP e do novo aeroporto.

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital considera a "história" à volta da construção do novo aeroporto "mesmo lamentável", juntando-se aos apelos do Presidente da República para que destas eleições saia um consenso sobre a solução.

"Esta história do aeroporto [em Lisboa] é mesmo lamentável. Não tenho outra palavra para descrever isto. (...) estamos a falar de uma decisão que tem que ser tomada", começou por dizer Pedro Siza Vieira.

O ministro admite que haverá sempre "prós e contras em qualquer decisão", mas que "a incapacidade" de se tomar uma decisão, "onde alguns setores ainda acham que há aspetos que não são favoráveis", é para si "absolutamente lamentável".

"Acho muito complexo que no sistema político não fossemos capazes de tomar uma decisão básica que é esta: nó precisamos mesmo de um aeroporto. É incontestável que precisamos de aumentar a capacidade aeroportuária em Lisboa. Qualquer decisão que seja tomada, expandir a Portela, fazer um aeroporto na margem sul, na margem norte, tem, seguramente, vantagens e inconvenientes, qualquer delas. Agora para mim há uma coisa muito crítica, o tempo tem um valor cada vez maior", afirmou o ministro no 46.º Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, em Aveiro.

Atualmente, em cima da mesa estão três hipóteses: aeroporto Humberto Delgado (principal), com o aeroporto do Montijo (complementar); aeroporto do Montijo (principal), com o aeroporto Humberto Delgado (complementar) e uma infraestrutura localizada no Campo de Tiro de Alcochete.

Na quarta-feira, o Presidente da República disse, também em Aveiro, que uma das virtudes das eleições é a possibilidade de clarificação de alguns assuntos e que é isso que espera que os candidatos eleitorais façam, nomeadamente, sobre o futuro da TAP e do novo aeroporto.

"Um aspeto positivo de haver eleições é o de esperar que da parte daqueles que concorrem a eleições clarifiquem estas matérias", disse Marcelo Rebelo de Sousa na abertura do 46.º Congresso Nacional da APAVT, respondendo a apelos do setor sobre as preocupações com a TAP e o aeroporto.

"Não há nada como clarificar antes do início da legislatura para não haver surpresas durante a legislatura. Clarificar em primeiro lugar como é importante haver uma decisão sobre o aeroporto, para não haver os 'avança e recua' de acordo com questões conjunturais meramente táticas. O país não suporta esse taticismo. Tome-se uma decisão e tome-se em 2022. Já vos disse que gostaria de ver o resultado dessa decisão antes do fim do meu segundo mandato, mas para isso é preciso tomar a decisão", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa perante os congressistas.

Hoje, Pedro Siza Vieira disse também esperar que "uma vantagem destas eleições seja que o sistema político seja capaz de corresponder ao apelo do senhor Presidente da República", quando diz: "Entendam-se sobre o que querem fazer do aeroporto".

"Se houver esse consenso político, as decisões tornam-se possíveis", acrescentou o ministro.

"Acho que estes anos foram anos perdidos nesta matéria e espero vivamente que sejamos capazes de inverter esta situação tão rapidamente quanto possível como apelou o senhor Presidente da República", acrescentou.

Na quinta-feira, o administrador da ANA - Aeroportos de Portugal Francisco Pita insistiu também ser fundamental haver "um aumento significativo" da capacidade aeroportuária em Lisboa, a ver pela recuperação na aviação, lembrando que a empresa está preparada para avançar no Montijo que levará quatro anos a construir.

"A posição da ANA é conhecida. Apresentou uma proposta ao Governo, está preparada, consegue concretizá-la em quatro anos e é o Montijo. A nossa posição é absolutamente clara em relação a isso. Não temos qualquer dúvida que é fundamental haver um aumento significativo da oferta da capacidade aeroportuária em Lisboa, se não será impossível crescer", afirmou Francisco Pita no congresso da APAVT.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de