Teletrabalho é medida "desproporcional"

CIP considera que a medida é excessiva.

O teletrabalho é uma medida "desproporcional" em relação ao objetivo, disse à Lusa Armindo Monteiro, um dos vice-presidentes da CIP -- Confederação Empresarial de Portugal.

"Não posso ignorar que estamos com muitos casos e eles cresceram de forma exponencial, mas também não podemos ignorar que somos dos países mais vacinados e, por isso, a CIP não pode concordar com esta medida", indicou, referindo que estão a ser "expiados os pecados do que aconteceu no Natal do ano passado".

Armindo Monteiro salientou que há um "cuidado que parece excessivo", visto que há um ano não havia "o nível de vacinação que há hoje e que impede a doença grave e muito grave".

"Aqui parece uma desproporção em relação ao objetivo", destacou, referindo que deveria "haver uma correspondência entre o custo e o objetivo da medida", o que, defende, não há.

O teletrabalho volta a ser recomendado e será obrigatório entre 02 e 09 de janeiro, semana de contenção de contactos após as festividades do Natal e do fim do ano, anunciou hoje o Governo.

"Sempre que possível, o teletrabalho é recomendável para evitar excesso de contactos que permitam agravar a situação de pandemia", disse o primeiro-ministro, António Costa, no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou medidas para conter a pandemia de covid-19.

O Conselho de Ministros decidiu ainda que o teletrabalho vai ser obrigatório entre 02 e 09 de janeiro, semana de contenção de contactos.

Alem disso, o certificado digital covid-19 volta a ser obrigatório no acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos e alojamento local a partir de 01 de dezembro e "os testes [à covid-19] passam a ser obrigatórios para qualquer entrada em território nacional, seja qual for o ponto de origem e seja qual for a nacionalidade do passageiro", disse o primeiro-ministro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de