Usar cartões vai sair mais caro. Deco critica aumento de comissões bancárias

O Novo Banco é um dos bancos que já anunciou que vai ter comissões bancárias mais altas já no início de 2022.

A Deco antecipa o aumento de comissões bancárias e do uso de cartões de crédito e débito para os primeiros meses de 2022.

A associação de defesa do consumidor critica o progressivo aumento de preços numa altura em que a banca continua a fechar balcões e a despedir trabalhadores. Em declarações ao Diário de Notícias (DN), o economista da Deco Proteste Nuno Rico defende que não há argumentos para estes aumentos.

"Não há argumentos para estes aumentos. Cada vez os portugueses têm menos banca, mas uma banca mais cara", disse o economista ao DN.

O jornal refere também um levantamento feito pela "ComparaJá", uma plataforma de comparação de produtos e serviços financeiros, adiantando que, até agora, três bancos já anunciaram que vão ter comissões mais altas no próximo ano.

Um deles é o Novo Banco. Neste caso, os clientes vão gastar mais dinheiro quando usarem os cartões de crédito e débito e vão também pagar muito mais para manter uma conta à ordem. Seja qual for o saldo, pagam todos o mesmo. O valor anual passa para mais de 62 euros.

"Para já, o Novo Banco anunciou aumentos de comissões para 2022 mas é muito expectável que os outros bancos sigam a mesma tendência e anunciem aumentos no primeiro trimestre do novo ano", explicou Nuno Rico ao DN, acrescentando que "estas subidas de preços ocorrem sem fundamento".

Os bancos estão cada vez mais digitais e continuam a fechar balcões e a reduzir o número de trabalhadores", sublinhou.

A Associação Portuguesa de Bancos não se pronuncia sobre a politica comercial dos bancos. Questionada pela TSF, explica que não há decisões nem políticas comerciais do sector tomadas coletivamente. A associação afirma ainda que em causa estão bancos individuais independentes e com estratégias e políticas comerciais próprias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de