ensino

Alunos no estrangeiro vão pagar propina de 120 euros

Os alunos que queiram ter aulas de português no estrangeiro no próximo ano letivo vão ter que pagar uma propina anual de 120 euros. A medida foi anunciada pelo secretário de Estado das Comunidades à Lusa. Ainda que a medida só afecte os alunos que frequentam o sistema paralelo de ensino, os representantes das comunidades mostram-se preocupados.

O presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas, Fernando Gomes, revelou à TSF que o Conselho não foi consultado sobre esta matéria, que acredita vir a afastar aqueles que têm interesse pela aprendizagem da Língua Portuguesa.

«Isto é uma forma subtil do Governo tentar afastar as pessoas que ainda estejam interessadas e motivadas na aprendizagem da língua. Parece que o Governo faz as coisas de uma forma desconcertante. Primeiro motiva a imigração, depois tomas iniciativas que não motivam a comunidade fora do país», contestou.

«O Conselho de Comunidades não foi consultado e estamos a ser informados através dos meios de comunicação. Penso que não é assim que se funciona. Existe um órgão que tem de ser respeitado», lamentou Fernando Gomes.

Para além da propina anual de 120 euros, os alunos, quer do sistema paralelo, quer do sistema integrado de ensino, vão ser obrigados a fazer uma pré-inscrição através da Internet.

A TSF tentou contactar a secretaria de Estado das Comunidades mas até agora sem sucesso.

  COMENTÁRIOS