Educação

Mobilidade especial para professores só em 2014 - Governo (atual.)

A garantia é dada após a primeira ronda negocial entre Governo e sindicatos dos professores. A FNE reage dizendo que nada foi falado na ronda negocial.

O Governo só vai aplicar o regime de mobilidade especial aos professores no próximo ano. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado Estado do Ensino e Administração Escolar, João Casanova de Almeida, no final da primeira ronda negocial com os sindicatos dos professores relativa às novas regras aplicáveis à função pública.

Ouvido pela TSF, o secretário de Estado clarificou que os docentes só serão abrangidos pelo regime depois de concluído o primeiro periodo de aulas, ou seja no início de 2014.

«Durante o primeiro periodo existirão ajustes na distribuição do serviço letivo, existirão bolsas de recrutamento e durante esse periodo não iniciaremos nenhum processo», disse.

João Casanova de Almeida garantiu que o Governo vai dar prioridade aos seis mil pedidos de reforma pendentes. A ideia é acelerar os processos para que fiquem concluidos até setembro.

Dessa forma, serão libertados seis mil horários para professores que não têm actualmente atribuida qualquer componente lectiva.

Questionado sobre o pré-aviso de greve para o periodo de exames, João Casanova de Almeida diz que o Governo ainda não recebeu a convocatória da greve pelo que «é prematuro comentar o que desconhecem».

O secretário geral da Federação Nacional de Educação (FNE), disse à TSF que o anúncio do Governo relativamente à mobilidade especial revela uma contradição do Executivo.

João Dias da Silva garante que esta novidade não foi revelada durante o encontro de hoje.