Portugal

Filósofo José Gil diz que portugueses já não podem sonhar (com vídeo)

O filósofo José Gil diz ao programa "Gente que Conta" que os portugueses deixaram de sonhar. Quanto ao Governo e ao Presidente da República estão a milhares de léguas da realidade.

José Gil considera que o Presidente da República e o Governo estão a milhares de léguas dos cidadãos. Numa entrevista ao programa "Gente que Conta" o filósofo analisa o atual momento do país.

PUB

O ensaísta e professor universitário considera que as recentes manifestações são uma fase.

«Isto para mim é uma fase de um processo que pode ser gravissímo que é um processo de desencadeamento de energias não ordenadas e canalizadas e que pode dar violência»

Para José Gil o Executivo receia «o imprevisível, o que é solto, que não tem ideologia nem discurso ordenado e que pode ser impossível de domar».

«É disso que o Governo tem medo», explica.

O filósofo diz ainda que a direita navega à vista. «Politicamente a direita e o centro direita não tem uma teoria concreta sobre o que se deve fazer», adianta.

Quanto aos portugueses já não podem sonhar: «Estão a entrar numa mudança da sua mentalidade profunda com o tal paradoxo, da não incrição, do viver em ciclo como a pescada com o rabo na boca, fugir sempre à realidade. Pela primeira vez o português encontrou a realidade quando lhe retiraram todas as possibilidades. Ele agora já não tem que sonhar, porque não pode sonhar», afirma o filósofo José Gil.

A entrevista ao filósofo José Gil ao programa Gente que Conta que pode ouvir na TSF depois das 11:00 e ler nas páginas do Diário de Notícias.