Portagens

Luta contra portagens marcada para 8 de Abril

Os movimentos que contestam as portagens que vão ser instaladas nas auto-estradas A23, 24 e 25 preparam acções de protesto para o dia 8 de Abril. O Governo diz que não vai recuar.

A comissão de utentes das A23, 24 e 25 está a preparar uma grande marcha lenta para dia 8 de Abril, uma semana antes da cobrança, que promete lançar a confusão nas auto-estradas de Vila Real a Santarém e de Aveiro à Guarda.

Francisco Almeida, porta-voz da comissão, avisa que as populações vão ser chamadas a participar naquilo que designa como «revolta contra as portagens».

O dirigente promete luta sem quartel mesmo que as portagens entrem em vigor.

Apesar dos protestos, o secretário de Estado Paulo Campos responde que o Executivo está firme na decisão.

O autarca do município de Chaves, por onde passa a A24, não sabe ainda se vai estar presente no protesto. No entanto, João Batista, que sempre contestou a introdução de portagens está solidário com a iniciativa da população.

O autarca de Castelo Branco, distrito servido pela A23, acha bem que a população proteste, mas considera as portagens inevitáveis. João Morão diz que agora a luta é no sentido de conseguir benefícios para a região e por isso já decidiu a sua posição.

«Não irei participar porque a nossa luta vai noutro sentido, conseguirmos alguns benefícios quando as portagens forem impostas, por exemplo uma discriminação positiva para as pessoas que aqui residem e empresas», afirma.

O presidente da Câmara de Vouzela, oncelho atravessado pela A25, considera que a iniciativa pode levar o Governo a ceder. Por isso, Telmo Antunes vai juntar-se à marcha lenta.

  COMENTÁRIOS