défice

Passos garante que não vem aí mais austeridade

O primeiro-ministro diz que não há necessidade de aplicar medidas extra para garantir a consolidação orçamental.

No dia em que terminou a segunda avaliação às contas do período pós-resgate e pouco depois da troika ter dito que é preciso continuar a cortar na despesa, Passos Coelho garante que "o Governo não prevê necessidade nenhuma de tomar novas medidas". O primeiro-ministro afirma que "que as nossas previsões e os resultados que temos vindo a observar [...] reforçam a nossa ideia de que o resultado que esperamos, de ter um défice abaixo dos três por cento, está perfeitamente ao nosso alcance sem necessidade de novas medidas".

PUB

Passos Coelho sublinha que o Governo está comprometido em cumprir as metas traçadas e considera o futuro pode ser negro se se Portugal se desviar do rumo. O governante afirma que "se não mantivermos o nosso propósito de rigor e disciplina, claro que o nosso futuro será menos risonho do que aquilo que nós gostaríamos".

A reação do primeiro ministro depois desta tarde a troika ter avisado Portugal de que é preciso fazer mais cortes na despesa sob pena de não ser atingido o défice acordado.