José Sócrates

Sócrates defende-se: imputações «absurdas, injustas e infundamentadas»

Ao fim de seis dias de detenção e prisão preventiva, José Sócrates dá o primeiro passo de defesa, e rejeita todas as suspeitas. Em comunicado enviado à TSF, o antigo primeiro-ministro diz que os crimes de que está indiciado são «imputações absurdas, injustas e infundamentadas».

No texto, enviado através do advogado João Araújo, José Sócrates afirma que a prisão preventiva, decretada pelo juiz Carlos Alexandre, é uma decisão «injustificada, e constitui uma humilhação gratuita».

PUB

O antigo primeiro-ministro considera ainda que a detenção para interrogatório, na sexta-feira passada, «foi um abuso», e fala do espectáculo montado em torno da detenção dele, como «uma infâmia».

Aliás, Sócrates começa o comunicado a sublinhar que está «há cinco dias fora do mundo», e que só agora começa a tomar consciência de que «as imputações e as circunstâncias devidamente seleccionadas» contra ele pela acusação, ocupam os jornais e as televisões. O antigo líder socialista sublinha que essas fugas são crime, contra a justiça e contra ele próprio.

Dizendo não esperar que os jornais denunciem esse crime, e o quanto ele põe em causa a lealdade processual e os princípios do processo justo, José Sócrates avisa que «será em legítima defesa» que irá, «conforme for entendendo, desmentir as falsidades lançadas» sobre ele e responsabilizar «quem as engendrou».

O antigo primeiro-ministro afirma que vai defender-se com as armas do Estado de Direito, as únicas em que acredita, e que «este é um caso da Justiça e é com a Justiça Democrática que será resolvido».

A dois dias do Congresso do PS, José Sócrates diz não ter dúvidas de que este caso tem também contornos políticos, sublinha que este processo é com ele e só com ele, e que qualquer envolvimento do Partido Socialista só o prejudicaria a ele, ao Partido e à Democracia. O antigo líder socialista diz-se sensibilizado com a solidariedade de camaradas e amigos, mas afirma que quer manter o que for matéria política à margem deste debate.

Sócrates fecha esta primeira peça de defesa escrevendo «este processo só agora começou».