Abel Matos Santos apresenta demissão do CDS

A demissão do vogal da comissão executiva do CDS acontece depois de terem sido conhecidas declarações elogiosas a Salazar e as críticas que fez ao cônsul Aristides de Sousa Mendes.

É caso para dizer que Abel Matos Santos não resistiu ao passado. Menos de duas semanas depois de ter sido eleito para a nova direção do CDS, o homem que desistiu a favor de Francisco Rodrigues dos Santos e acabou na comissão executiva do partido, nem chegou a aquecer o lugar.

Conforme avançou a TSF, Abel Matos Santos renunciou ao cargo de vogal na comissão executiva centristas. A demissão foi confirmada pelo partido em comunicado. Na nota enviada às redações, os centristas informam "que Abel Matos Santos apresentou a sua renúncia ao cargo de vogal que ocupava neste órgão, não permitindo, deste modo, que as suas afirmações passadas possam suscitar dúvidas sobre a tradição política em que o CDS, inquestionavelmente, se insere".

A semana passada o Expresso revelou várias posições polémicas de Abel Matos Santos. Entre 2021 e 2015, Abel Santos pronunciou-se por diversas vezes de forma elogiosa sobre António Oliveira Salazar e a PIDE e criticou, duramente, o cônsul Aristides de Sousa Mendes, que ficou na história por ter salvado muitos judeus do holocausto e a quem o vice-presidente do CDS chamou de "agiota de judeus".

Depois de terem sido reveladas estas posições, Abel Matos Santos apagou estas publicações e tentou explicar-se dizendo que elas tiveram "o seu contexto". Enquanto a direção do CDS, liderada por Francisco Rodrigues dos Santos, disse desconhecer tais declarações, ensaiando, ainda assim, a justificação de que o pensamento deste dirigente já era conhecido do partido.

Na sexta-feira, Abel Matos Santos enviou uma mensagem pessoal ao presidente da Comunidade Israelita de Lisboa lamentando "o desconforto" pelas palavras que proferiu e tentando explicar que apenas "procurava questionar, com base na literatura então publicada, as reais motivações de Aristides de Sousa Mendes" intenções que, reconhecia sem esforço, serem "absolutamente irrelevantes face às vidas preciosas que logrou salvar".

Abel classificou o 25 de Abril como um golpe de Estado

Recapitular as posições de Abel Matos Santos é abrir uma caixa cheia de polémicas. Desde considerar António de Oliveira Salazar como "um dos maiores portugueses de sempre", aos elogios à PIDE, o dirigente do CDS expressou-se diversas vezes através das redes sociais mas também na Assembleia Municipal de Coruche.

De acordo com a revista Sábado, numa Assembleia Municipal, em 2010, Abel Matos Santos recusou-se a votar uma moção de apoio ao 25 de abril por considerar que a revolução dos cravos se tratou "de um golpe de Estado que podia ter levado o país a uma ditadura comunista".

Abel Matos Santos defendeu que a revolução não era necessária já que "o país crescia mais de seis pontos percentuais por ano, a guerra do Ultramar estava ganha, havia emprego e estabilidade, Portugal era reconhecido internacionalmente e tudo estava calmo".

Na passada sexta-feira, após a divulgação das declarações, Pires de Lima disse na TSF que o partido não podia aceitar alguém com a linha de pensamento de Matos Santos. As declarações "ofendem a tradição e memória democrática do CDS".

"Tenho a certeza de que o Francisco Rodrigues dos Santos não concorda em nada com este senhor", nota o antigo ministro, que espera que a consequência desta discordância seja a de "retirar a confiança política" a Matos Santos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de