Com pedidos para "não deixar entrar o Chega", Costa responde com "voto certo e seguro no PS"

António Costa reforçou que com um Governo do PS "ninguém fica refém da extrema-direita".

PorFrancisco Nascimento
© Miguel A. Lopes/LUSA

Em Fafe, com largas dezenas de pessoas nas ruas, os habitantes pediram a António Costa para que impedisse a extrema direita de chegar ao poder. O líder socialista respondeu que "o voto certo e seguro é no PS", e voltou a garantir que um Governo socialista "não fica refém" do Chega e de André Ventura.

Das 25 freguesias, 17 são do PS e, na câmara municipal, os socialistas têm maioria absoluta, com António Costa a fazer um pequeno percurso pelas ruas da cidade em terreno confortável. "Viva o Costa" foi a frase que mais se ouviu, mas também seguiram pedidos, a pensar no dia seguinte a 30 de janeiro.

Ouça a reportagem de Francisco Nascimento em Fafe

Your browser doesn’t support HTML5 audio

"Não deixes entrar o Chega", atirou um habitante, com Costa a responder "vamos lutar". Já uma fafense foi mais longe, e acrescentou que "se não votarmos nele, lá vai a liberdade".

Em declarações ao jornalistas, no final da arruada, António Costa sublinhou que "o voto certo e seguro é no PS", porque "tem um programa claro e não escondido, com soluções de governabilidade que não ficam reféns da extrema-direita".

António Costa definiu ainda o objetivo de "continuar a crescer acima da média europeia", com melhores salários e menos impostos, mas também uma subida das pensões.

"Se há algo que as pessoas sentem como muito necessário é que o sistema de Segurança Social continue a reforçar, por um lado, a sua sustentabilidade, mas também de melhorar as suas pensões. E é isso que é necessário: que haja uma maioria na Assembleia da República que permita mesmo que prossigamos os aumentos extraordinários das pensões mais baixas", disse.

Questionado se essa é uma maioria à esquerda, com Bloco de Esquerda e PCP, António Costa voltou a fugir à questão, salientando que "é uma maioria com os portugueses".

"O nosso programa tem a ver com as necessidade reais do país. O que é necessário é que possamos sair das eleições com as condições de diálogo e construção que assegurem estabilidade", afirmou, recusando revelar os parceiros preferências para viabilizar um futuro Governo, caso o PS vença as legislativas.

Depois de António Costa ter anunciado que o PIB cresceu 4,6 por cento em 2021, o Instituto Nacional de Estatística (INE) esclareceu que o resultado só vai ser anunciado a 31 de janeiro. Ainda assim, questionado pelos jornalistas, se esta foi um trunfo eleitoral, o primeiro-ministro garante que são apenas previsões.

"Não citei INE nenhum, disse quais são as previsões com que estamos a trabalhar. O INE revelará os seus números quando os tiver. Não percebo essa questão", atirou.

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG