"Nota-se a diferença." PCP critica maioria socialista e quer Cabaz Alimentar com preço controlado

Apesar do chumbo da proposta, os comunistas levam a plenário a proposta para que exista uma regulação do mercado para "travar o aumento brutal de preços" de produtos essenciais. Até ontem nenhuma proposta do PCP tinha sido aprovada pelo PS.

PorJudith Menezes e Sousa
© José Sena Goulão/Lusa

Pão, carne, peixe e óleo, são alguns dos produtos que para o PCP devem ter preços regulados para travar a "escalada exorbitante relativamente àquilo que é depois o esmagamento dos preços da produção", na denúncia do deputado Bruno Dias, em declarações à TSF.

"É preciso tomar medidas para que haja o controlo de preços que deve assumir uma regulação do mercado de uma forma muito concreta: o Estado deve assumir a sua responsabilidade, por um lado, defendendo a produção nacional e por outro os consumidores", afirma o deputado do PCP que, apesar de ter visto o PS chumbar a proposta na especialidade, vai insistir em plenário, esta quarta-feira.

O PCP acusa o PS de falta de "coragem política para enfrentar interesses poderosos", tanto entre os grandes grupos da grande distribuição, como na questão dos combustíveis e da energia.

Depois de ter obtido alguns ganhos de causa nos últimos Orçamentos de Estado negociados com os governos minoritários do PS, o PCP não viu ainda qualquer das propostas apresentadas merecer a aprovação da nova maioria absoluta socialista.

"Nota-se uma diferença", ironiza Bruno Dias adiantando que " há uma incapacidade "por parte do Partido Socialista em responder às propostas do PCP, decorrente da maioria que tem "rejeitado sistematicamente" as propostas comunistas.

Ouça as declarações de Bruno Dias à TSF

Your browser doesn’t support HTML5 audio

A proposta de Orçamento de Estado para 2022 tem votação final global agendada para sexta-feira à tarde.

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG