Renúncia de Sérgio Figueiredo "não apaga" prova de que "PS se confunde com o Estado"

"A desistência de Sérgio Figueiredo não apaga a tentativa e desejo de Fernando Medina em devolver a contratação passada", pode ler-se no comunicado do partido Liberal.

PorLusa
© Tiago Petinga/EPA

A Iniciativa Liberal considerou esta quarta-feira que a "desistência de Sérgio Figueiredo" de um cargo no Ministério das Finanças "não apaga" a demonstração de que o "PS se confunde com o Estado" e "usa e abusa do dinheiro dos contribuintes".

"A desistência de Sérgio Figueiredo não apaga a tentativa e desejo de Fernando Medina em devolver a contratação passada. Não apaga a forma despudorada como o PS usa e abusa do dinheiro dos contribuintes. Não apaga a forma como o PS recorre aos ajustes diretos para contornar o escrutínio", lê-se numa nota da Iniciativa Liberal.

O partido considera ainda que a renúncia de Sérgio Figueiredo "não apaga a forma como o PS desconsidera os serviços da administração pública", nem "apaga que o primeiro-ministro tenha afirmado que o assunto estava morto e enterrado".

"E não apaga mais um episódio demonstrativo em como o PS se confunde com o Estado, achando que o Estado é um meio para os seus fins de poder absoluto", prossegue o texto.

Sérgio Figueiredo renunciou esta quarta-feira ao cargo de consultor do ministro das Finanças, comunicando a decisão através de um texto publicado no Jornal de Negócios.

"Para mim chega! Sou a partir deste momento o ex-futuro consultor do ministro das Finanças. Sossego as almas mais sobressaltadas de que não cheguei a receber um cêntimo, sequer formalizei o contrato que desde a semana passada esperava pela minha assinatura", pode ler-se num texto assinado por Sérgio Figueiredo.

Em reação à demissão, o ministro das Finanças, Fernando Medina, lamentou "não poder contar com o valioso contributo de Sérgio Figueiredo ao serviço do interesse público".

"Lamento profundamente a decisão anunciada por Sérgio Figueiredo, mas compreendo muito bem as razões que a motivaram", afirmou Fernando Medina, em comunicado enviado às redações, sobre a decisão de Sérgio Figueiredo de não prestar os serviços de consultoria para o gabinete do ministro das Finanças.

O jornal Público noticiou em 9 de agosto que o Ministério das Finanças tinha contratado o antigo diretor de informação da TVI e ex-administrador da Fundação EDP Sérgio Figueiredo como consultor estratégico para fazer a avaliação e monitorização do impacto das políticas públicas, escolha que motivou críticas de partidos políticos e comentadores.

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG