Rio não afasta geringonça à direita mas remete decisão para a direção do PSD

Líder social-democrata realça que António Costa "ensinou-nos que se pode fazer diferente".

PorLusa
© Patrícia de Melo Moreira/AFP

O presidente do PSD, Rui Rio, não afastou esta sexta-feira a possibilidade de constituir uma geringonça à direita, mesmo se os sociais-democratas perderem as eleições, remetendo essa decisão para a direção do partido.

Numa curta entrevista à SIC, Rio foi questionado se, caso o PS vença as legislativas antecipadas de domingo sem maioria e "a direita toda junta conseguir entender-se", afasta uma 'geringonça' à direita, semelhante à que António Costa fez em 2015 (em que não foi o partido mais votado, mas governou com base em acordos parlamentares escritos com BE, PCP e PEV).

"Veremos, o dr. António Costa ensinou-nos que se pode fazer diferente. Se isso for possível, logo veremos e a direção nacional há de decidir", afirmou.

Neste ponto em concreto, Rio não foi questionado se o Chega estaria incluído nesta equação, embora nos últimos meses tenha sempre afastado qualquer possibilidade de uma coligação de Governo com este partido.

Em perguntas anteriores relativas ao Chega, o líder do PSD reiterou o que disse nos últimos dias.

"A questão do Chega já foi explicada muitas vezes: eu apresento o Orçamento e os deputados eleitos pelo Chega vão ter de votar. Se votarem a favor, viabilizam um Governo contra uma alternativa do PS, se votarem contra estão a votar ao lado do PS", disse.

Questionado se, caso dependa do Chega para aprovar um Orçamento, não irá ligar a Ventura para negociar, Rio repetiu: "Não, isso já disse que não, já disse claramente e por diversas vezes que não".

"Eu vou precisar desses votos, mas o PS se quiser derrotar um Orçamento meu também precisará desses votos. Os deputados que o Chega possa eleger são iguais aos outros, na altura certa terão de perceber se querem dar força à esquerda ou ao centro-direita", afirmou.

Questionado se se vê como líder da oposição mais alguns anos se perder as legislativas antecipadas de domingo, Rio afirmou que "depende do resultado e da vontade do partido".

"Logo se vê em face do resultado, das necessidades do país e da vontade do partido. Desprendimento do poder eu tenho, isso pode ter a certeza", afirmou Rio, que foi reeleito em dezembro do ano passado para um novo mandato de dois anos.

LEIA AQUI TUDO SOBRE AS LEGISLATIVAS 2022

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG