"Eu vou ganhar." Rio agradece "dignidade" de Rangel e foca-se nas legislativas

Rui Rio venceu as eleições internas no PSD. Após a derrota, Rangel apela à união do partido e confirma que reeleição reforça "legitimidade do líder".

PorTSF
© José Coelho/Lusa

"Dirigentes distritais que se opuseram a Rio devem pôr os lugares à disposição"

José Silva Peneda, do PSD, defende que os dirigentes distritais que se opuseram a Rui Rio durante as eleições diretas do partido deviam demitir-se, mas só depois das legislativas porque, até lá, "é um momento de união".

LER MAIS

É oficial: Rio vence diretas no PSD com 52.43% dos votos

Paulo Colaço, presidente do conselho de jurisdição do PSD, veio anunciar os resultados oficiais das eleições diretas no PSD, mas avisou que são "ainda provisórios", uma vez que há secções por apurar.

Em 46.664 militantes inscritos, 35.991 votaram, houve 319 votos em branco e 189 nulos. Rui Rio foi reeleito com 18.604 votos, o que corresponde a 52.43%, e Paulo Rangel foi derrotado com 16.879 votos, equivalente a 47.57%.

"O conselho de jurisdição declara eleito o companheiro Rui Fernando da Silva Rio, a quem saudamos desde já", acrescentou Paulo Colaço.

LER MAIS

Rui Rio, o resistente que vai chegar ao pódio dos líderes do PSD mais duradouros

O presidente do PSD e recandidato ao cargo venceu este sábado a sua terceira eleição interna e deverá tornar-se o terceiro líder mais duradouro à frente dos sociais-democratas, atrás de Cavaco Silva e Passos Coelho.

Rui Rio, que já era o líder do PSD com mais tempo de oposição, derrotou este sábado Paulo Rangel e mantém-se no cargo que ocupa desde janeiro de 2018, num mandato que, previsivelmente, se estenderá por dois anos.

LER MAIS

Legislativas. "Eu vou ganhar", diz Rio

O líder do PSD reeleito só tem a vitória no horizonte para as próximas eleições legislativas.

"Tinha dito que saía se perdesse hoje. Eu vou ganhar. Vou a eleições democráticas para ganhar. Quero respeitar o resultado dessas eleições quer ganhe ou perca e quero que os restantes partidos respeitem o resultado dessas eleições", respondeu quando foi questionado sobre se continuaria a liderar o partido se fosse derrotado nas legislativas.

Para Rui Rio, o PSD já não é uma máquina de triturar líderes, mas ressalvou que "só se consegue fazer unidade com quem quer fazer unidade e já aprendi que não se consegue fazer unidade com quem não quer unidade nenhuma".

O presidente do PSD não admite outro cenário para as eleições legislativas que não seja a vitória.

"Para ganhar legislativas, aquilo de que mais preciso é dos militantes do PSD e esses tenho. Como se vê, funciono melhor quando me picam. Estou picado para ganhar as legislativas porque é possível", acrescentou.

LER MAIS

Rio quer Portugal com melhores salários e travar "degradação" do SNS

Para Rui Rio, o PS é um partido avesso a reformas e mudanças. Algo que quer mudar se vencer as próximas eleições legislativas.

"Temos de mudar para que os portugueses tenham novos horizontes e temos de ganhar as eleições legislativas para que possamos ter um país com melhores empresas, onde os jovens não tenham de emigrar porque têm cá empresas capazes de dar empregos tão bons como aqueles que têm no centro da Europa. É o momento para dar o exemplo fundamental do Serviço Nacional de Saúde, cuja degradação tem de ser invertida. Os portugueses não têm de estar meses e meses em lista de espera", justifica Rui Rio.

Rio agradece "dignidade" da derrota de Rangel e foca vitória nas legislativas

Depois de agradecer a "dignidade" com que Paulo Rangel reconheceu a derrota deste domingo, Rui Rio pediu que o partido se foque em ganhar as próximas eleições legislativas.

"Encaro esta vitória como todas as outras: com satisfação, orgulho mas, acima de tudo, com sentido de responsabilidade. O apoio que me dão hoje é uma alegria, amanhã é uma responsabilidade que tenho comigo porque não quero desiludir ninguém. Portanto, minhas amigas e meus amigos, ponto final parágrafo. Vamos mudar de catpítulo porque no dia 30 de janeiro temos um grande caminho pela frente, que é ganhar as eleições legislativas", afirma o líder social-democrata reeleito.

Rio diz que vitória é "dos militantes de base" e pede a dirigentes para se ligarem "mais aos militantes"

Rui Rio começa o discurso de vitória por agradecer aos militantes e defende mesmo que esta "é a vitória dos militantes de base" do PSD que participaram "ativamente" nestas eleições.

"Esta eleição, antes de ser a nossa vitória, é a vitória dos militantes de base do PSD. Não podemos deixar escapar esta oportunidade para dizer isto: os que são os dirigentes dos partidos nas distritais e nas concelhias têm de se ligar mais aos militantes porque é notório que foram, na sua esmagadora maioria, num dado sentido e os povo, que são os militantes, disseram que não, que o caminho era outro. Não disse a ninguém que se votassem em mim teriam o lugar A ou B, a única coisa que as pessoas sabem é que não sou ingrato", explicou Rui Rio.

Rui Rio acaba de chegar à sede de campanha. Apoiantes gritam "Portugal, Portugal" durante a entrada do social-democrata.

"Os militantes são livres de conduzirem os seus próprios percursos"

Sobre a possível integração dos seus apoiantes na lista de Rio para as próximas eleições, Paulo Rangel admite que, para haver unidade, é necessário fazer pontes, mas acrescenta que os militantes são livres.

"Os militantes são livres de conduzirem os seus próprios percursos. Espero que, evidentemente, em todos os momentos da vida do partido haja sinais claros de unidade e julgo que é aquilo que vai acontecer", disse.

Para já, não comenta o que correu mal nestas eleições diretas porque ainda não conhece os resultados em pormenor.

"Hei-de fazer uma reflexão depois mais tarde. Há uma coisa clara: candidatei-me porque tinha uma estratégia e visão diferente do candidato que ganhou", acrescentou o eurodeputado.

Rangel continuará à frente do PSD nas instituições europeias

Nas próximas eleições legislativas, Paulo Rangel garante que estará a apoiar o PSD e continuará a trabalhar como deputado europeu. No que toca à relação com Rui Rio, afirma que nunca estiveram em guerra.

"Não fizemos as pazes porque não estivemos em guerra, estávamos numa contenda eleitoral. Tive sempre uma relação de estima e respeito pelo Rui Rio. Hoje foi exatamente igual", sublinha.

Eleições internas reforçaram "legitimidade do líder" Rio

Para o social-democrata, estas eleições vieram legitimar o líder do PSD, Rui Rio.

"Sempre insisti em que as eleições fossem feitas porque os que saíssem vencedores saíriam reforçados para as eleições legislativas. Depois de hoje, ninguém terá dúvidas de que tive razão quanto a isso. O processo de eleições, tendo sido feito como foi, reforçou a legitimidade do líder", defende.

Rangel assume derrota e pede união no partido

Depois de felicitar Rio pela vitória, saudar os militantes do PSD pela elevada afluência às urnas - "um sinal de grande vitalidade democrática" - e agradecer o apoio de quem esteve ao seu lado durante a campanha, Paulo Rangel apelou à unidade do partido, já a pensar nas eleições legislativas.

"É um prazo muito exigente que impõe uma mobilização redobrada. A minha palavra é essa, de união. Apresentei-me com uma estratégia diferente daquela que teve hoje a vitória. Se vamos para as eleições legislativas temos de ir unidos, tendo como principal adversário António Costa e o partido socialista", pediu Rangel.

Pedro Pinto votou em Rangel, mas garante que partido "continuará unido" com vitória de Rio

O deputado social-democrata Pedro Pinto reconheceu a vitória de Rui Rio e garante que o PSD "continuará unido".

"Não votei nele. Estou a tentar perceber o que aconteceu e só encontro uma explicação: as pessoas preferem o Rui Rio", explicou aos jornalistas.

Candidatura de Paulo Rangel reconhece derrota

A candidatura de Paulo Rangel reconheceu a derrota nas eleições diretas para a presidência do PSD, assumiu fonte oficial aos jornalistas.

LER MAIS

"Ganhámos, ganhámos"

É este o cântico de vitória que domina a sede de campanha de Rui Rio, entre abraços e gritos.

Votação renhida. Rio segue à frente às 21h00, com 53,05% dos votos

Pouco mais de uma hora depois do fecho das urnas, já há alguns resultados apurados. Rui Rio ganhou em Bragança, Leiria, Viana do Castelo, Évora, Açores, Braga, Gaia e Maia. Já Paulo Rangel venceu na Guarda, Setúbal, Vila Real, Famalicão e Cascais.

A nível nacional, o atual líder do PSD e recandidato, Rui Rio, seguia, às 21h00, à frente nas eleições diretas para a liderança do partido, com 53,05% dos votos, enquanto o eurodeputado Paulo Rangel tinha 46,95%, segundo os resultados provisórios.

LER MAIS

Apoiantes de Rio vão vibrando com indicadores de vantagem

Há poucos apoiantes à vista, mas os que estão perto dos olhos da comunicação social vão vibrando ao saber resultados favoráveis a Rui Rio. Por aqui, acredita-se na vitória.

Salvador Malheiro e Isaura Morais, vice-presidentes de Rio, entraram bastante sorridentes neste hotel. Também o deputado Paulo Rios Oliveira e Carlos Reis chegaram entretanto com alguma confiança visível nos resultados que vão chegando, como habitualmente, em primeiro lugar através de mensagens no telemóvel.

Porto dominado por Rio

À semelhança do que acontece em Leiria, também no Porto Rui Rio está na frente. Às 21h05 o social-democrata somava 1730 votos (61.85%), enquanto Rangel tinha 1067 (38.15%).

Rio também em vantagem em Leiria

Em Leiria, com 639 votos apurados às 21h01, Rui Rio ia na frente com 388 votos (60.72%), contra 251 (39.28%) de Paulo Rangel.

Rio com vantagem em Aveiro. Rangel vence na Europa

Às 20h45, com 7.47% dos votos apurados em Aveiro, Rio está na frente com 47 votos (5.48%) contra apenas 17 de Paulo Rangel.

Também Rio vai à frente a nível nacional com 4011 (54.12%) contra 3400 (45.88%) de Rangel. Neste momento estão apurados 7536 e 36.660 por apurar.

Os candidatos à liderança do PSD, às 20h35, praticamente empatados com cerca de 10% dos votos cada um, quando estavam apuradas 28 das 290 secções num universo de 46.663 inscritos, segundo os primeiros resultados provisórios disponíveis.

Na Europa, onde já estão apurados todos os votos, venceu o eurodeputado Paulo Rangel.

LER MAIS

Para o bem ou para o mal, há festa no hotel onde Rio acompanha noite eleitoral

Independentemente dos resultados, a festa está garantida. Rio divide o hotel com um jantar de gala da Liga Portuguesa Contra o Cancro. Alguns dos convidados ficaram espantados e, como a notícia não escolhe hora certa, vários perguntavam aos jornalistas se já tinham resultados para saber se era Rui Rio ou Paulo Rangel quem está à frente.

Rio? Só no fim da noite

Era esperado pela comunicação social no átrio do hotel, mas Rui Rio trocou as voltas aos jornalistas: entrou pela garagem e foi direto para o 12.º andar onde tem instalado o quartel general para acompanhar os resultados.

De figuras do partido, já passaram pelo átrio José Silvano, Maló de Abreu, Isabel Meirelles, Ricardo Baptista Leite, Mónica Quintela, Tiago Moreira de Sá, Catarina Rocha Ferreira e Hugo Carvalho.

Às 20h25, com apenas 1234 votos apurados, as primeiras projeções indicavam Rui Rio na frente, com 183 votos (14.87%) contra 182 (14.78%) de Paulo Rangel. Resultados ainda muito pouco significativos, uma vez que faltam ainda apurar 45.115 votos.

Tudo a postos na sede de Rangel

Na chegada à sala onde vai conhecer os resultados, Rangel confessou-se "confiante" na vitória eleitoral.

"Não há próxima, é hoje que tenho de ganhar"

O presidente do PSD, Rui Rio, diz que espera ganhar as eleições diretas no partido, este sábado. O atual líder, que enfrenta a oposição de Paulo Rangel, diz que esta é a última ocasião em que terá oportunidade de vencer as eleições.

"No meu caso, não há próxima, é hoje que tenho de ganhar", declarou Rui Rio, que afirma que ainda mais relevantes do que as diretas do PSD são as eleições legislativas a 30 de janeiro. "Esse é o grande objetivo e é o que Portugal mais precisa", acrescentou.

O líder social-democrata ressalvou que "ninguém está preparado para ser primeiro-ministro", mas garante que se tem vindo a preparar "do ponto de vista técnico, político, profissional e emocional". "Vamos fazer o melhor possível", frisou.

Questionado pelos jornalistas, depois de ter cumprido o direito ao voto nas eleições internas do partido, Rui Rio admitiu ter duas garrafas de champanhe prontas para logo à noite: uma para festejar, no caso de ter uma vitória, e outra para celebrar a "vida tranquila" que terá, "do ponto de vista pessoal", se perder.

Sublinhando que a vida política "não é fácil", o líder do PSD referiu que é por causa dos militantes - que diz estarem emocionados e com muita vontade de participar nestas eleições - que se mantém nesta atividade.

Rui Rio abordou ainda a notícia divulgada pelo Expresso, que, este sábado, dá conta de que Rio teria enviado mensagens falsas aos militantes do PSD, para tentar ganhar vantagem nas eleições internas do partido. O líder social-democrata desmente categoricamente a informação.

"Sereno e confiante." Paulo Rangel espera "participação muito alta por parte dos militantes" do partido

"Com toda a serenidade e confiança", Paulo Rangel deseja que "haja uma participação muito alta por parte dos militantes" do PSD na votação deste sábado. O candidato já exerceu o seu direito de voto, na sede distrital do PD-Porto.

Rangel considera que esta eleição "suscita muito interesse", contando, por isso, com "uma mobilização forte" por parte dos militantes.

"Respeito o veredicto dos eleitores e nunca me substituo a ele", afirma, apelando aos militantes para que "façam um esforço" e votem.

Paulo Rangel vai dirigir-se para Lisboa onde vai acompanhar os resultados das eleições diretas no PSD.

LER MAIS

Rio diz que a sua estratégia de "recentrar PSD" é que vai permitir vencer legislativas

O recandidato à presidência do PSD Rui Rio destacou na sexta-feira a sua "estratégia de recentrar o PSD", porque é aí que se discutem as eleições, e reiterou que é o único capaz de derrotar o PS nas legislativas.

Num encontro com militantes na sexta-feira em Vila Nova de Gaia, Rui Rio enalteceu a sua "estratégia de recentrar o PSD, voltar a pôr o PSD como um partido do centro, e não como um partido marcadamente de direita, que não é".

"Se perdermos o centro, se nos deslocarmos para a direita, vamos ganhar o quê? vamos roubar 1% ou 2% ao CDS, tentar roubar 1% à Iniciativa Liberal? Onde ganhamos as eleições, é junto daquele eleitorado que decide as eleições, que ora vota no PS, ora vota no PSD", explicou.

LER MAIS

Rangel diz que militantes vão decidir entre "alternativa forte" ou "espécie de suplemento" ao PS

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel afirmou na sexta-feira ser com "dever cumprido" que encerra a campanha e que cabe agora aos militantes decidir se querem um partido como "alternativa forte" ou uma "espécie de suplemento do PS".

"É com o sentimento de dever cumprido que chegamos aqui hoje", afirmou Paulo Rangel.

Paulo Rangel, que encerrou na sexta-feira a campanha à presidência do PSD na Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), no Porto, salientou que sábado, os militantes do PSD vão tomar uma decisão na qual "está em causa uma verdadeira opção estratégica e fundamental".

LER MAIS

O que dizem as moções dos dois candidatos à liderança do PSD

Os dois candidatos à liderança do PSD, Rui Rio e Paulo Rangel, divulgaram esta semana as moções de estratégia global em que apresentam as principais ideias para o partido e o país, com diferenças claras sobre os cenários pós-legislativas.

As duas moções começam por se distinguir na forma: Rui Rio, presidente do PSD desde 2018, optou por um texto curto (18 páginas), intitulado "Governar Portugal", mais centrado em mensagens políticas, e em que remete várias vezes para a sua proposta de estratégia global de há dois anos ou para o programa eleitoral que levou às legislativas de 2019.

Já o eurodeputado Paulo Rangel apresentou uma moção que já contém "o diagnóstico e a visão" que virá a detalhar num programa eleitoral para as várias áreas da governação, se vencer as eleições diretas de hoje. O texto, com 66 páginas, intitula-se "Portugal: Ambição e Esperança".

LER MAIS

Rui Rio e Paulo Rangel disputam este sábado liderança do PSD em eleições diretas

O atual líder do PSD, Rui Rio, e o eurodeputado Paulo Rangel disputam este sábado a presidência do partido, em eleições diretas em que podem votar perto de 46.000 militantes.

De acordo com o site do PSD, o universo eleitoral para as décimas eleições diretas do partido é de 45.973 militantes, aqueles que têm as quotas em dia para poder votar.

Na sede nacional do partido, em Lisboa, uma equipa vai receber os resultados de todas as secções onde existem mesas de voto, que lançará no portal de resultados, sendo esta a segunda vez que o PSD disponibiliza os resultados das suas eleições diretas em tempo real.

Os dois candidatos votarão na mesma secção, na sede distrital do PSD-Porto, sendo Paulo Rangel o primeiro, pelas 14h00, com Rui Rio a exercer o direito de voto uma hora mais tarde, às 15h00.

LER MAIS

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG