Um dos pastores a quem Jorge Coelho mudou a vida. "Ele dava valor ao nosso trabalho"

Zézito recorda o antigo ministro. Dos almoços de Natal ao preço do leite, passando pelas conversas que tinham.

PorNuno Guedes
© Paulo Alexandrino/Global Imagens

A queijaria que Jorge Coelho abriu há cinco anos em Mangualde é o maior produtor de queijo de origem protegida da Serra da Estrela

O objetivo do antigo ministro, ex-gestor de grandes negócios, era regressar à terra onde nasceu, no distrito de Viseu, e fazer um investimento em homenagem ao avô que comprava queijos e depois os vendia em Lisboa, criando emprego no seu concelho.

O regresso de Jorge Coelho a Mangualde e abertura da fábrica de queijo dinamizou a economia da região e sobretudo a vida económica dos cerca de quarenta pastores que lhe vendiam atualmente leite. Entre os vinte primeiros a fazer negócio estava Zézito, um pastor com perto de uma centena de cabras e sobretudo ovelhas.

De início, José Marques - Zézito é a alcunha pela qual é mais conhecido - teve dúvidas, mas deixou de as ter depois do primeiro encontro com o antigo ministro socialista: as suas intenções eram mesmo genuínas.

Ouça a conversa do pastor com o jornalista Nuno Guedes, com trabalho técnico de Francisco Lima.

Your browser doesn’t support HTML5 audio

"Já trabalho com isto há vinte e tal anos. Na maior parte das queijarias para quem vendia o leite eu nem sequer conhecia o patrão. Conhecia o empregado e ao fim do mês passava o cheque".

"Com o Dr. Jorge não era assim. Todos os anos fazíamos o almoço de Natal e dava uma prenda para a minha filha. Vinha às explorações falar com os criadores...", conta o pastor que ficava surpreendido com o interesse do político pela sua vida.

"Se ele não abrisse esta queijaria ou desistíamos dos animais ou vendíamos o leite ao preço que estava pois não havia movimento", refere Zézito, que explica que ainda hoje há fábricas a comprar o leite a 1,05 euros por litro, mas Jorge Coelho comprava-o a 1,25 e ainda deu uma forte ajuda a fazer pressão junto da Câmara Municipal para encontrar forma de levar a eletricidade até à sua exploração onde guarda os animais.

Impulsos e mudanças que ajudaram a alterar a vida económica deste pastor - "a diferença de preço dá perfeitamente para pagar as rações e os milhos que os animais comem".

"O que eu mais admirava numa pessoa destas é que ele dava valor ao nosso trabalho, porque esta vida não é propriamente fácil. Apanhamos chuva, apanhamos frio; ora chove, ora faz sol. É complicado. Ele vinha, conversava connosco, e sabia... aliás o avô dele a vida era vender queijo. O Dr. Jorge era uma pessoa dada, humilde, entendia, conversávamos, dava valor aos princípios com que foi criado", resume o pastor, que quando ouviu a notícia da morte, através da rádio, ficou em choque.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG