Um navio que pode ser o futuro da Marinha portuguesa

O Governo já autorizou o início do projeto de um navio que pode ser configurado todas as semanas para missões diferentes. Gouveia e Melo explica à TSF e DN as características.

PorNuno Domingues
© Gerardo Santos/Global Imagens

O nome provisório oficial é "Plataforma Naval Multifuncional". O projeto foi inscrito desta maneira no Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). O primeiro custo estimado são quase cem milhões de euros.

Mas é preciso consultar as especificações técnicas para perceber que este navio polivalente, é diferente de tudo o que a Marinha tem no presente, ou teve no passado.

Integrado na componente de investimento no mar do PRR, o navio terá componentes de resposta a emergências civis e ambientais, vigilância marítima, e investigação científica.

Ouça a conversa com Henrique Gouveia e Melo

Your browser doesn’t support HTML5 audio

Como exemplos de emergência, são apresentados cenários de "derrames de petróleo ou blooms de plásticos, algas ou anémonas".

Em certo sentido, pode ser também, um navio "porta-drones". Vai poder lançar esquadras de aparelhos não tripulados, tanto aéreos como submersíveis.

Neste caso, os exemplos apresentados são as sondas de recolha de amostras submarinas ou com sensores óticos e de outro tipo, aparelhos não tripulados aéreos e de superfície.

O almirante chefe do Estado-Maior da Armada, Gouveia e Melo, na entrevista desta semana à TSF e ao Diário de Notícias, explica que uma das características deste projeto, é a possibilidade de ser alterado de uma semana para o outro, em função da missão que é pedida.

"É o primeiro navio que vai ser desenhado de raiz com um conceito totalmente revolucionário, em que pretendemos envolver a indústria portuguesa, a academia portuguesa e a ciência que se faz em Portugal para podermos desenvolver no futuro navios do mesmo tipo, mais evoluídos, que possam vir a substituir as fragatas e outras necessidades que temos", explicou.

Gouveia e Melo descreve o navio como "multidomínio e que vamos poder transformar de semana a semana, em função das necessidades de cada semana e do local geográfico em que temos de atuar."

"É um conceito completamente revolucionário e se o conseguirmos fazer, e há todas as condições para isso com a nossa tecnologia, envolvendo a academia, a ciência e a indústria portuguesa, estaremos muito mais preparados para um futuro de médio prazo em que temos de substituir as fragatas e outros navios que estão a chegar ao fim de vida", concretiza o Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada.

Não há, ainda, datas para este projeto. Sabe-se que o dinheiro do PRR terá de ser gasto até 2030, mas concretamente, em relação ao projeto, não há nada de concreto a não ser um número: o PRR prevê um orçamento de 94,5 milhões de euros.

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG