Apoio a Nuno Melo. "Quando o CDS tem 1,4% e temos um Chega com 4,1%, isso merece reflexão"

João Gonçalves Pereira denuncia "tentativa de impor uma lei da rolha" dentro do CDS, para não se debaterem os resultados autárquicos. O centrista assegura que apoiará Nuno Melo se o eurodeputado optar por se candidatar à liderança do partido.

O centrista João Gonçalves Pereira subscreve as críticas de Nuno Melo. O líder da distrital do CDS em Lisboa acusa a direção do partido de tentar impor uma espécie de lei da rolha, como forma de ignorar os resultados autárquicos.

Sobre a leitura, recheada de "aspetos preocupantes", que Nuno Melo faz do "estado geral" do CDS-PP, João Gonçalves Pereira diz estar alinhado com os destaques e com as críticas. "A análise que li, de Nuno Melo, é uma análise lúcida, ponderada e factual, ou seja, destaca e realça os aspetos positivos que existiram nestas eleições autárquicas, mas também faz um diagnóstico realista e factual."

Para o líder da distrital do CDS em Lisboa, os resultados autárquicos "devem impor ao partido uma reflexão quanto àquilo que também correu mal", sobretudo em comparação com outras forças de direita. "Quando o CDS tem 1,4% e temos um Chega ao lado com 4,1%, isto deve merecer uma reflexão."

Questionado pela TSF sobre se acredita que haverá reflexão e discussão interna quanto às métricas atingidas nas últimas eleições para as autarquias, João Gonçalves Pereira denuncia: "Parece que há uma tentativa de impor uma lei da rolha, em que não se quer discutir aquilo que deve ser uma análise mais fina desses resultados."

Os resultados nas autárquicas terão ficado muito aquém das ambições do CDS, mas que são apenas um pormenor entre os problemas estruturais do partido, afirma João Gonçalves Pereira. "Não é o resultado de umas eleições autárquicas, fossem elas quais fossem, bons ou maus resultados, que iria resolver um problema que passa pela afirmação e a consistência dessa mesma direção e da liderança do CDS", salienta o centrista, que pede uma discussão interna nos órgãos próprios do partido, no Conselho Nacional e no congresso.

Quanto a uma eventual candidatura de Nuno Melo à direção do partido, o líder da distrital do CDS em Lisboa afirma que será certamente bem-vinda. "O que se sente e que se tem sentido desde que Nuno Melo deu sinais de que poderia estar disponível para ser candidato à liderança do partido, o que se percebe no partido é que há uma onda mobilizadora em torno dessa mesma possibilidade", sublinha João Gonçalves Pereira, que ainda vai mais longe: "Quero acreditar, e estou convicto, que Nuno Melo estará disponível para esse desafio. Percebe-se, pelas reações que tem havido um pouco por todo o país, que há essa necessidade de encontrar uma alternativa, e uma alternativa ganhadora, à atual direção do partido."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de