BE apela ao voto antecipado para que pandemia não impeça direito fundamental

O Bloco de Esquerda considera que "não há razão para que no país se mantenham uma série de medidas altamente restritivas".

O Bloco de Esquerda apelou esta quarta-feira aos eleitores para que aproveitem o voto antecipado nas eleições legislativas, garantindo assim que a pandemia de Covid-19 não restringe este direito fundamental.

Num vídeo de reação à reunião que voltou a juntar especialistas e políticos para analisar a evolução da pandemia de Covid-19, o deputado do BE Moisés Ferreira referiu que janeiro "é um mês importante" devido à realização das eleições legislativas antecipadas no dia 30.

"Cada uma e cada um tem um voto para decidir aquilo que quer para o futuro do seu país. Nós não podemos deixar que o nosso direito ao voto possa ser de alguma forma impedido, impossibilitado ou dificultado por causa da pandemia", afirmou.

Segundo o bloquista, o voto antecipado pode e deve ser aproveitado por todos, "exatamente para evitar que, à última da hora, uma infeção, um isolamento, um confinamento possa impossibilitar o direito ao voto".

"O voto antecipado é possível e é uma forma de garantir que a pandemia não restringe este nosso direito fundamental", sustentou.

Sobre a situação da atual da pandemia, Moisés Ferreira começou por referir que "a nova variante de Covid-19, apesar de mais contagiosa, é menos perigosa" e que "a eficácia e a validade da vacinação e a proteção que ela dá à população" foram reconfirmadas.

"Tendo em conta estes dois dados não há razão para que no país se mantenham uma série de medidas altamente restritivas e o país está neste momento em condições de fazer o levantamento de muitas delas", defendeu, considerando fundamental acelerar a vacinação, nomeadamente a dose de reforço.

O BE pediu ainda o aumento da disponibilidade e acesso aos testes para a população.

"É fundamental que o Governo perceba de uma vez por todas que é preciso reforçar o SNS, nomeadamente o SNS24 e os cuidados de saúde primários", exigiu.

Se o SNS24 e os cuidados primários não forem reforçados com mais profissionais, "vai acontecer uma sobrecarga sobre as urgências e uma maior dificuldade de acesso a cuidados de saúde por parte dos utentes", avisou Moisés Ferreira.

"Deve-se automatizar o acesso a baixa mediante um teste positivo para a Covid-19 e os médicos devem ser aliviados do trace Covid", sugeriu ainda.

Além destas medidas que o BE considera fundamentais, o deputado bloquista defendeu ainda que, tendo em conta que a variante é menos perigosa e a eficácia da vacinação, "as autoridades de saúde devem reponderar os seus critérios de risco, nomeadamente os contactos, e as regras e os temas de isolamento e confinamento seja para contactos para infetados".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de