Belém reconhece "nervosismo" e lembra que também recebe Rui Rio

Rui Rio considerou, esta quarta-feira, "muito estranho" que o Presidente da República receba um potencial candidato à liderança de um partido.

Depois das críticas do líder do PSD por Marcelo Rebelo de Sousa ter recebido Paulo Rangel para falar do eventual calendário das legislativas, fonte de Belém ouvida pela TSF lembra que o presidente recebe "toda a gente".

"As pessoas estão nervosas." É uma frase reiterada por fonte da Presidência da República, ainda que não comente de forma direta o tom crítico de Rui Rio. No Palácio de Belém, lembram ainda que o Presidente "recebe sempre que pode quem lhe solicita audiências" e que tem cumprido, desde que tomou posse, um "mandato próximo das pessoas", além de que Paulo Rangel "ainda não é formalmente candidato" à liderança social-democrata.

No encontro entre o eurodeputado e Marcelo Rebelo de Sousa, na passada terça-feira, a situação do país e o futuro do PSD terão estado no centro da conversa, mas o Presidente da República tem dito que, em caso de chumbo do Orçamento do Estado, só tomará uma decisão sobre o calendário das eleições legislativas "depois de ouvir todos os partidos" com representação parlamentar.

Nas últimas audiências dos líderes políticos em Belém, há poucos dias, só o Chega foi taxativo a pedir que as eventuais eleições antecipadas decorram "o mais cedo possível", ainda que esse seja um cenário que também interessa aos atuais líderes do CDS e do PSD.

Fonte de Belém ouvida pela TSF diz que é preciso "esperar para ver" e lembra que Marcelo Rebelo de Sousa "teve o cuidado de receber Paulo Rangel ainda antes de conhecer o desfecho da votação" do Orçamento na generalidade. Um encontro pedido "há já algum tempo" pelo anunciado candidato à liderança social-democrata e tornado público na página da Presidência da República com "total transparência".

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou ser "muito estranho" que o Presidente da República receba um potencial candidato à liderança de um partido. Questionado pelos jornalistas, esta quarta-feira, à margem do debate do Orçamento do Estado de 2022 no Parlamento, sobre as notícias de que Marcelo Rebelo de Sousa terá ouvido Paulo Rangel, Rio declarou que não pode concordar com essa decisão do Presidente.

"Se for verdade que, ainda por cima, aquilo que foram tratar é a data das legislativa condicionada pelas diretas do PSD", condicionando o país às eleições internas do partido, para Rui Rio, trata-se de algo que "não é minimamente aceitável".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de