Berta Cabral realça "cartão amarelo" dos açorianos ao PS

Antiga dirigente do PSD/Açores nota que os açorianos mostram "um grande cansaço e saturação" em relação ao Partido Socialista.

A antiga dirigente do PSD/Açores e ex-autarca de Ponta Delgada, Berta Cabral, assinala a possibilidade de "pela primeira vez desde 2000 o PS poder não ter a maioria absoluta" nos Açores, naquilo que é uma espécie de "cartão amarelo" dos eleitores.

Em declarações À TSF, os açorianos, nota, sentem "um grande cansaço e saturação" de tantos anos de poder do PS nessas condições.

"Foi um cartão amarelo que os açorianos mostraram ao PS", comenta a antiga dirigente. "Sentem o que a região perdeu nestes anos, não convergiu com o país em termos de crescimento e de PIB, não convergiu com a Europa também e há muitos fundos comunitários que não surtiram os efeitos que se esperavam."

Os Açores têm "30% da sua população abaixo do limiar da pobreza, tem 10% da população a usufruir do RSI - três vezes a média nacional - e uma taxa de abandono escolar de 28%, o dobro da nacional". Estes "indicadores refletem-se na vida das pessoas, a classe média está depauperada e com uma carga fiscal brutal".

Sobre o que falta ao PSD/Açores para conseguir vingar, Berta Cabral nota que o PS também tem vindo a perder eleitores. "Perdeu 9500 votos de 2012 para 2016 e agora ainda não se sabe", realça.

Quanto à abstenção, que este ano deve descer, mostra "o voto da insatisfação" e de quem se "desliga do dever de votar".

O PS venceu as eleições ao Governo Regional dos Açores deste domingo, avança a RTP. As projeções da Católica para a televisão pública portuguesa dão uma percentagem de votação de de 37% a 41% aos socialistas, valores que permitem eleger 26 a 30 lugares no parlamento.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de