Bruxelas considera estabilidade política "uma boa notícia", mas espera pelo OE2022

Segundo o comissário da Economia europeu, Portugal deverá encerrar o ano com um crescimento de 5,5%, e deverá crescer 2,6 no próximo ano.

No dia em que colocou Portugal no pódio das economias que mais crescem na zona euro, o comissário da Economia, Paolo Gentiloni diz que Bruxelas "está à espera" do orçamento do estado para este ano.

"No que diz respeito ao orçamento, na nossa carta, em novembro de 2021, convidámos Portugal a enviar um novo documento à Comissão, assim que o governo apresentar ao Parlamento Português, um novo projecto de orçamento do Estado para 2022, então estamos à espera disso", afirmou Paolo Gentiloni.

"Temos boas previsões de crescimento para Portugal em 2022. E, Portugal deve alcançar o nível de crescimento pré-pandemia, no segundo trimestre deste ano", destacou o Comissário, sobre as previsões macroeconómicas intercalares de Inverno, em que a Comissão Europeia coloca Portugal no pódio do crescimento da zona euro.

De acordo com a estimativa de Bruxelas, Portugal deverá encerrar o ano com um crescimento de 5,5%, e deverá crescer 2,6 no próximo ano. Paolo Gentiloni garante, porém, que os resultados eleitorais não pesaram na avaliação da Comissão Europeia.

"Claro que não temos em conta o resultado das eleições na nossa previsão. Não seria fácil na Europa ter isso em consideração. Não o fazemos", garantiu, embora, considere que o resultado das eleições se traduz numa boa notícia.

"Claro que estabilidade é uma boa notícia neste tipo de avaliação económica", afirmou o comissário da Economia, na apresentação do boletim macroeconómico intercalar de inverno.

Níveis pré-pandemia

O início de 2022 foi marcado pelo aparecimento de infecções, com o aumento recorde no número de casos, e isso reflectiu-se em "uma nova queda nas viagens internacionais", que deverá representar uma "desaceleração do crescimento económico em Portugal para 0,5% no primeiro trimestre de 2022".

Bruxelas assume, porém, "uma melhoria das condições", projectando uma recuperação do crescimento económico no segundo trimestre para "níveis pré-pandemia".

Em termos anuais, Bruxelas prevê um crescimento de "5,5% em 2022 e 2,6% em 2023", considerando que "a procura interna" dará um contributo "substancial", para o resultado em ambos os anos, mas também "pela implementação do Plano de Recuperação e Resiliência".

A recuperação do turismo "deverá ter uma contribuição líquida positiva para o crescimento em 2022", e um impacto "neutro" no próximo ano. Nesta previsão, Bruxelas está já a afastar qualquer cenário de novas interrupções devido à pandemia.

Energia e Inflação

"A inflação aumentou de -0,1%, em 2020, para 0,9%, em 2021, devido à volatilidade significativa nos preços da energia", calculam os especialistas da Comissão Europeia.

Para o consumidor "os preços da energia aumentaram 13,2%, no último trimestre de 2021", quando comparados com o ano anterior", impulsionados principalmente "pelos preços do petróleo bruto".

Bruxelas salienta que "as alterações nas componentes reguladas da eletricidade protegeram as famílias do forte aumento dos preços grossistas". No entanto, a componente energética dos preços ao produtor "subiu a um ritmo muito mais elevado", reflectindo-se no custo para o consumidor "numa vasta gama de bens e serviços".

"No geral, a inflação global medida pelo Índice harmonizado de preços no consumidor atingiu 2,4%, no último trimestre de 2021", em relação ao mesmo período do ano passado.

A Comissão Europeia mantém a expectativa de que "a inflação dos preços da energia diminua" este ano e no próximo. Mas, os efeitos de base - os preços mais altos dos produtos energéticos - e uma nova recuperação dos preços dos serviços "deverão elevar a inflação para 2,3% em 2022, antes de moderar para 1,3% em 2023".

Crescimento em 2021

No documento, Bruxelas calcula o crescimento da economia portuguesa no ano passado em 4,9%, em linha com a estimativa do Instituto Nacional de Estatística.>

No último trimestre de 2021 a recuperação manteve-se, com um crescimento do PIB de 1,6%, mas a um ritmo mais lento do que no terceiro trimestre. A economia Portuguesa recupera assim pouco mais de metade do nível de produção, em relação a 2020, ano em que o PIB caiu 8,4% devido à pandemia.

Já em níveis pré-pandemia estão "todas as componentes da procura, o investimento e as exportações", refere a Comissão Europeia no boletim macroeconómico intercalar de inverno.

O consumo privado recuperou a um ritmo um pouco mais lento, devido Às "restrições contínuas durante a maior parte do ano", nos serviços de contacto. As exportações de serviços "aumentaram substancialmente no segundo semestre do ano", mas mantém-se ainda muito abaixo do nível pré-pandemia, uma vez que "o grande setor de turismo estrangeiro do país ainda esteve limitado pelas condições de viagens internacionais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de